21618









Quem disse que não estou acompanhando a Copa?





f.

U.S. first lady Melania Trump walks from her to her motorcade wearing a Zara design jacket with the phrase "I Really Don't Care. Do U?" on the back as she returns to Washington from a visit to the U.S.-Mexico border area in Texas, at Joint Base Andrews, Maryland, U.S., June 21, 2018. REUTERS/Kevin Lamarque?

A mulher do inominável, inominável é.


CDeneuve & Klimt



um beijo pro Joshua Oliveira Gomes.


HerbRitts


A melhor vida ------- pessoas que vivem em iates, na Sardenha. Bebendo Taste of diamonds (caso não existisse essa tremenda injustiça social, senão é quase imoral).






Olha. Se você que está me lendo e está deprimido, saiba que passa. Que a vida é complicada, e o mundo já foi entregue a estranhos. Mas pode ser melhor. Quem leu meu livro sabe que tentei de tudo para ficar boa (não sabia que era depressão):::: limpeza da aura, terapia, passes da Igreja Messiânica, exorcismo, vidas passada etc.

Conheço uma pessoa - existem milhares - que está de cama há anos, no escuro, e não quis ir a um excelente psiquiatra. Não a culpo. Só acho que a gente tem que tentar. Sei que existem pessoas que se recusam a tomar remédios, eu não entendo. Remédio foi feito pra passar a dor. Mas cada um é cada um. Li um comentário, no antigo No, dizendo que eu era patrocinada pela indústria farmacêutica. Então dou ryca e não sei.

A vida tem momentos bons. Você pode até vir a se apaixonar. Existem dias alegres. Já que é pra viver, que seja na vida real. Sei como é. A gente se sente incapaz de qualquer coisa. E burra (o cortex blablablá). Principalmente culpada. Pois saiba que vc não tem culpa de nada. A culpa faz parte da depressão. "A pessoa se sente culpada até pela III Guerra Mundial!" - disse meu antigo psiquiatra, o lindo. Então tenta entender isso. Se esforça pra saber que vc não tem culpa de nada. Se esforça.

17618




via


Não estou entendendo nada dos últimos episódios da terceira temporada de Billions. Cada vez aparece um corrupto diferente, e não consigo saber quem é quem. Muitas transações a cada cena, estou confusa, e o Chuck Rhoades está chatíssimo.


Cartier Bresson

---Observar a vida--- Fui à padaria. Um menino na calçada, quase um rapaz, vendendo doces. Parecia saído de um filme do Rossellini. "Compra uma coisa pra eu comer?". Fui na prateleira da salgados prontos, ele entrou também, mostrei um de  queijo e salsicha. "Qualquer um está bom... No balcão eles também fazem sanduíches..." e depois: "Vou esperar lá fora". Pedi um queijo com presunto, dei a ele e fui comprar cigarros. Quando saí, ele se aproximou de mim com um punhado de doces na mão, me oferecendo. Eu disse que não precisava, ele disse, "Pra beliscar". Eu peguei um deles. "Paçoca, adoro. Obrigada!". Foi um breve momento de amor.

andré dahmer

lasanha
Assisti Brasil e Suíça.  Amigo me convidou, e ficamos conversando na sala durante os vinte primeiros minutos de jogo. Adoro quando bater papo fica em primeiro plano. Depois conversamos durante a partida.  Não sabia o nome de nenhum jogador, fora o Neymar. Não me orgulho disso, queria saber de todos. Mas minha vida requer atenção absoluta, muitas coisas para


-------Minha vizinha me chamou, gato de rua chorando de dor e mancando. Armadilhas frustradas de ração cremosa. Vamos acompanhar. ---------------


resolver, muitas coisas mesmo. Disciplina é liberdade. Frase que está escrita na agenda do meu filho. Ele ia se desfazer, e peguei. Disciplina é a chave. Ou a pessoa tem, ou não tem. Dificílimo aprender, porque o cérebro quer é mais. Não quer ter o mínimo trabalho, é comodista. Vejamos o que posso fazer.

Estou trabalhando, é muita felicidade. Mas é trabalho árduo, porque metade dele é bem chato. O homem tão respeitável se escondeu.


16518



entrevista com o lindo. Enjoy.












via
----------------------------------dicas
                                     





Eu não gosto da Kate Moss. Mas sou fascinada por sua imagem pop. Fotografa muitíssimo bem. Talvez eu faça um festival Kate Moss, mesmo não gostando dela. Jogo do currículo: tatuagem de andorinhas feita pelo Lucian Freud.

então as pessoas mais sérias, doutorados, dezenas de diploma de vários países do mundo, são capazes de papelões. Fico pra morrer, as coisas emperradas. Vou dar o meu jeito, porque só tenho uma carta na mão.
a arte de contar coisas particulares.








via






Sou uma mãe cheia de culpas, não há nada pior. E as culpas, Meu Deus. O dia que fui fazer ovos estrelados para o meu filho, que era pequeno, e coloquei manteiga demais. Ou quando. Ou quando. São coisas assim, sou mulher portuguesa. Ele tinha uns 11 anos, comprei uma camisa estampada e uma bermuda. Eram lindas, realmente. Mas talvez arrumadinha demais, pra quem vivia de boné e short. E seu primo: "Tá mauricinhooo". Meu coração apertou, porque sei que para o meu filho aquilo foi, no mínimo, humilhante. Mas fiz tudo que uma boa mãe pode fazer. Dentro do meu possível. A melhor boa mãe não consegue boa o suficiente - não sei o que esperam de nós. A santidade? Muitas vezes estive ausente, por isso essa culpa que não se desfaz. Dizem que a criança se forma até os sete anos, então agradeço a Deus por estar sã neste período. Diariamente passeávamos no Jardim Botânico, entrando escondidos pelo portão de trás, ao lado da nossa casa. Catávamos folhas, gravetos.

14618




Boa noite.


leleco
via



jeanne moreau
via









Sinto um frisson quando passo em lugares da minha infância. Queria voltar à casa que morei pequena, uma rua sem saída que dava para um morro romantizado. Lavadeiras, casinhas decentes, pintadas, um morro pequeno. Queria tanto voltar lá!


Rua sem saída, morávamos no último prédio, lindo, varanda. três andares. O vizinho do térreo parecia o Paul MacCartney. Eu fico refazendo a rua na minha cabeça, prédio branco; casa da Betinha, futura mulher do meu irmão ( a garagem era uma boate); casa do neto do Gama Filho (que tinha um quarto de brinquedos para o deslumbre geral); casa das duas velhinhas, com lençóis quarando atrás. Vila onde tinha um cabeleireiro onde minha mãe ia. Um dia resolvi pular corda do lado de fora, a vila era de pedras irregulares. Nem precisa dizer que quebrei a cabeça, e fui pro Pronto Baby.


Edifício de pedra; pequeno terreno baldio; casa estilo Brasília; e na esquina um armazém enorme. Agora são torres da Light.  Passei pelo prédio mais charmoso, de treliça azul clara, na Hadock Lobo, onde morei quando tinha menos de 5 anos. Fiquei horas olhando: está igual. Quando peguei o ônibus e fui até a escola onde estudei. Que emocionante. E sofri naquela escola de freiras.







Não posso voltar porque o morro se transformou numa enorme e perigosa favela.

:\




Acho nostalgia papo furado. Mas eu sou nostálgica, bem sentimental, quando passo por lugares da minha infância. Sou tomada pelo sentimento bliss. O título em português do maravilhoso livro da Katherine Mansfield é Felicidade. Bola fora. O que mais se aproxima de bliss é êxtase.


(*vi agora no Google que houve uma segunda tradução chamada Êxtase).
O Google é a maior invenção. Se eu pudesse escolher ter só três coisas da internet, eu escolheria Google, youtube, e twitter.

verdade no seus diários, Virginia fala muito sobre isso, dizendo que Mansfield não era muito talentosa.