31.03.02
Domingo com açúcar







- Você acha que sou louca?
- Não, você é deslumbrada e inocente.

Isso faz tanto tempo. E parece que nada mudou.


Sabadão sertanejo Por favor, não pense que eu tenho cem anos só por que vou escrever certas coisas aqui. Frequento a Barra uma vez ou outra, meus irmãos moram lá. Mas em matéria de comércio e lazer parei no Barrashopping, quando ele não era mega. Hoje tive uma experiência daquelas.

Fui conhecer a Fnac, por motivos que tenho preguiça de contar aqui. Vi dois cds da Brigitte Bardot. Passei na maquininha de preços, setenta reais cada. Tá boa? Saí com as mãos abanando mas aí que começa minha aventura.

Não sou de ir a shopping, pelo menos nada que seja maior do que o da Gávea. Queríamos jantar e sugeri que, já que estávamos ali, fossemos ao New York City - sim, aquele que tem uma estátua da liberdade na porta. Fomos.

Na verdade não gosto muito da Barra, embora já tenha morado lá, numa época onde por perto só havia um açougue, um veterinário e uma banca de jornais. Mas não era isso eu ia falar. Ia falar do túnel futurista que tivemos que atravessar para passar do BS pro NYC. Parecia que eu estava num filme do Woody Allen - é muito comum eu ter essa sensação o inferno é aqui.

Eram dezenas de pessoas se espremendo e eu estava achando aquilo muito chato. Quando entramos no outro shopping - my God. É como entrar no túnel do tempo. Antes você estava num Brasil cheio de crianças pedindo moedas no sinal, agora você está num Brasil próspero, cheio de neon e luzes cintilantes. Chão de vidro, lanchonetes, hamburguer, um milhão de salas de cinema, Estados Unidos.


Olhei pra todos os cantos e não havia nenhuma palavra em português em lugar nenhum. Isso me deu uma certa agonia. Resolvemos comer num lugar chamado T.G.I Fridays - Casual Dining. Um restaurante tipicamente americano e gostoso, nada contra. Inclusive em NY você também encontra lugares onde você pode comer feijoada e tomar caipirinha. Mas tudo era tipicamente americano ali, as lanchonetes, os bares, os jogos. Tudo. E tudo era tipicamente americano fora dali também. Achei tudo muito patético.


Quando voltamos pra casa, depois da meia-noite, já na Lagoa, dúzias de crianças muito pequenas manobravam bolinhas no ar, como num circo improvisado e triste.




christian coigny







Rio, 30 de Março de 2002 - Última atualização às 23h47m

PT: Garotinho deixou rombo de R$ 1 bi

Globo online




30.03.02
Sexta Bracarense + Uma Mente Brilhante. Bolinho de bacalhau: vamos falar a verdade que não é mais o mesmo e faz tempo.O filme é mesmo daquele tipo que ganha o Oscar. Parece que o John Nash era anti-semita mas isso não combina com a Academia. Gostei muito.

É bom que se mostre o respeito que existe (lá fora) pela sabedoria, como na cena das canetas. É bom que se mostre o quanto uma pessoa lutou contra uma doença terrível. Foi bom ter conhecido John Nash que eu, evidentemente, não conhecia. Enfim, foi uma noite agradável no Leblon.

Depois que fui deitar fiquei pensando no filme e passei a gostar mais dele, aliás, gostar muito. É interessante a forma como as coisas são conduzidas, a gente pensa que a doença veio à tona depois daquelas experiências, o tiroteio no automóvel, a paranóia de estar sendo seguido. E me comovi quando ele entra pela primeira vez numa sala de aula, como aluno.

Li que o filho de Nash é PHD em matemática e também esquizofrênico - quem pode compreender a vida?


29.03.02
The voice Pelo visto, todos foram viajar e deixaram o Rio como eu gosto, vazio. Dá até pra atravessar a Fonte da Saudade sem olhar se vem carro. Bom pra ir ao cinema e percorrer livrarias. Aqui em casa todo mundo viajou também, menos S., que rarissimamente tem folga. Eu tenho mil coisas pra fazer, inclusive um trabalho burocrático, chato e urgente.

Preciso também lavar umas loucinhas e dar uma varrida na varanda, regar as plantas e todas essas coisinhas bobas que a gente faz num piscar de olhos quando não está possuído pela preguiça. Daqui vejo as árvores, os miquinhos e ouço os passarinhos cantando aos montes e isso era só o que eu queria fazer por hoje. Coloco Frank Sinatra ainda jovem no cd, e uma das comprovações de que Deus existe.

(Na verdade o que eu queria mesmo era tomar um banho de cachoeira)


Sexta-feira da Paixão.


28.03.02



Bye, mestre. 



(blog monotemático)


Infância

Lençóis brancos quarando ao sol.


Sobre ouvir Uma vez fizeram um curso desses de motivação para os funcionários do centro cultural onde eu trabalhava. O cara era fera nisso e deve ter custado uma nota ao nosso chefe que deveria ter usado esse dinheiro pra pagar a gente melhor. Mas isso não vem ao caso.

Ele chamou duas pessoas, Anna e Fred, e teve muita sorte por que fez a seguinte pergunta para cada um: Você acredita em Deus? Um acreditava, outro não. Então ele pediu para que ela dissesse por que ela acreditava e ela deu uma explicação no centro da sala e depois o outro explicou por que não acreditava.

Qdo os dois terminaram ele virou para o Fred e perguntou, o que ela disse? Ele ficou "Er...ela...bem..." e fez o mesmo com ela. E ela "hum...ele disse...er...". E olha que ele já tinha avisado antes que as pessoas não sabiam ouvir. E não é que não sabem mesmo?


27.03.02
Porque ele é tão charmoso: por que ele lê no original, não gosta de secretária eletrônica, nem de celular, nem de computador e aposto que nunca entrou na internet. E não gosta de americanos. Um homem fora de moda, por isso.


Para Marina

...verdes, verdes, verdes são todos os meus vestidos e também vermelhos, vermelhos, vermelhos são todos os meus vestidos, (...) azuis, azuis, azuis são todos, todos os meus vestidos e amarelos, amarelos, amarelos são todos os meus vestidos...

I love youth.




De perto ninguém é Flanders.


"Eu sempre soube que Frank iria acabar na cama com um garoto", Ava Gardner, quando soube do casamento do seu ex-marido com Mia Farrow


26.03.02

Correspondência eletrônica
Assunto: Globo de Ouro
Ving Rhames é a ator que pagou aquele mico - muito divertido, diga-se de passagem - na festa do Globo de Ouro, intimando Jack Lemmon a subir ao palco para receber o prêmio que ele, Ving, se recusava a aceitar. Foi sensacional. Ving ganhou pelo telefilme "Don King - Only in America". Jack concorria por "12 angry men", refilmagem para a tevê de "Doze homens e uma sentença".Ayrton Chaves


Correspondência eletrônica
Assunto: Globo de Ouro

Marina, eu também vi essa apresentação do Globo de Ouro que você comentou. Aliás, eu assisto todo ano. O ator que você citou é o Ving Rhames. O cara é fodão. Ele recebeu o Globo de Ouro em 98, pelo papel em uma série de TV. Como ele estava concorrendo contra o magnífico Jack Lemmon, nada mais justo do que chamá-lo ao palco e querer entregá-lo o caneco. Jean Boechat


25.03.02
Correspondência eletrônica
Assunto: Oscar

Pra mim foi uma decepção total! Tive a maior prova de que tudo não passa de uma armação muito da mal feita. Esse negócio de votação secreta (q eu gostava tanto de acreditar é realmente um logro). Homenagear o canastrão do Sidney Poitier e coincidentemente Denzel e a garota-jambo do X-men ganharem na mesma noite foi dose! Só faltaram chamar o filme do Russel de "Uma mente escurinha". Agora só a Tiazinha acredita em Oscar. De bom só o Cirque du Soleil. De curioso, a aparição do Woody. Talvez esteja querendo abrir as portas para um futuro Oscar honorário.

Kastello

PS: Realmente, como espetáculo televisivo, o Ayrton tem razão. Foi o a melhor entrega de Oscar que eu já vi. O problema foi a decepção de saber que tudo é apenas uma grande armação!!!



A mais emocionante e divertida premiação que eu já vi não foi um Oscar, mas um Globo de Ouro. Não lembro qual. Mas foi um que a Kim Basinger ficou meio em estado de choque quando anunciaram que ela era a melhor atriz pelo seu desempenho em Los Angeles Confidencial (na verdade o correto seria dizer a atriz mais deslumbrante do ano). Teve um ator (qual?) que se recusou a receber o prêmio por que um dos concorrentes era ninguém mais ninguém menos do que Jack Lemmon. Foi muito legal, ele querendo empurrar o prêmio para Lemmon, a fim de fazer justiça. Foi uma cena e tanto. Eu sou suspeita para opinar por que Jack é meu ator predileto. Morgan Freeman também levou seu troféu (por qual filme?) e já que o assunto é a vitória dos atores negros - esse sim, é o mais maravilhoso de todos os tempos. Um rei.



Correspondência eletrônica
Assunto: Oscar

Não me lembro de ter visto noite tão legal quanto a de ontem. O engraçado é que os filmes não eram exatamente a oitava maravilha do mundo.Eu torci por vários perdedores: Tom Wilkinson, Robert Altman, "O Senhor dos Anéis"...O momento mais bacana foi a presença de Woody Allen, avesso a essa cafonália toda, prestando sua homenagem à Nova York, cidade que é sempre personagem marcante dos filmes dele. Tb foi emocionante o prêmio dado ao Sidney Poitier, o discurso da Halle Berry e os clips de gente da área, dizendo qual o seu filme favorito - o da Catherine Deneuve é "Os Desajustados", do John Huston. Tb foi bonito ver o casalzinho Ryan O'Neal/Ali MacGraw, Robert Redford, Maggie Smith, a lista é grande. Só ficou faltando mesmo Jane Fonda, mas acho que já seria pedir demais.

Ayrton Chaves



24.03.02
"São seis os elementos: ar, terra, fogo, água, sexo e morte. Não, são sete: e lirismo." Paulo Mendes Campos



Por falar em Serra, eleições e tudo mais, estamos no chamado mato sem cachorro. Gosto muito de votar, é uma fila que enfrento com prazer. Mas acho que esse ano estou fora.

De todos os candidatos, incluindo a do bigode, o pior e mais perigoso candidato é aquele que "desgoverna" o Rio de Janeiro. Além de todos os seus defeitos - sem falar na sua aparência jeca - é um mentiroso-compulsivo. Sua última - nessa altura penúltima - foi dizer que contratou a consultoria Ernst & Young para fazer uma auditoria independente nas contas do seu governo, para mostrar aos adversários que está entregando a Benedita (toc, toc, toc) um Rio de Janeiro em ordem. Detalhe: a Ernst & Young nem tá sabendo disso.



Leio na Veja que está custando 10 milhões por ano para a Souza Cruz colocar aquelas fotos condenando o fumo nos maços de cigarros. Idéia do futuro presidente do País, José Serra, que conta com um poderoso garoto-propaganda, Gugu Liberato. É o chamado dinheiro jogado fora.

Todos fumantes que eu conheço ridicularizam a campanha, pedem pro cara do bar trocar um maço por outro - os homens por exemplo não gostam dos que falam de impotência e não se importam com aqueles que mostram um bebê minúsculo. Cada um escolhe o que melhor lhe convém.

Alguém já viu as figuras das embalagens de países como o Canadá? Chega a causar pesadelos, por que são fotos reais e tenebrosas. Mas o Serra optou por uma mensagem mais light - duvido que alguém tenha parado de fumar por causa de um daqueles avisos. Ele finge que está se preocupando com a saúde do povo, e o povo finge que está se preocupando com aquelas fotografias. E vamos em frente.


23.03.02

Lendo Isto É

milhagem FHC desde 1995, qdo assumiu a presidência, viajou 122 vezes e visitou 47 países. Foram 341 dias fora do País.

vaca louca Se você quer comer um bife mal passado num restaurante inglês, antes precisa assinar um documento declarando que comeu carne por livre e espontânea vontade e não processará o restaurante caso fique doente.

frase De Frei Betto, sobre o fato de Lula não gostar de ler livros:"Ele não precisa. Conversa com os autores"



Minha memória é uma coisa impressionante. Não memória para fatos ocorridos, isso nem tanto. Mas pra tudo que se refere às palavras escritas. Meus livros prediletos já foram relidos no mínimo cinco vezes e muitos com o frescor da primeira vez. Gostaria que abrissem meu cérebro, consertassem essa parada e depois fechassem. É uma coisa chatíssima.

(Me lembrei disso lendo um artigo do Sérgio Augusto, sobre os cinquenta anos de O Apanhador no Campo de Centeio. Preciso ler esse livro de novo, pensei. Sendo que já fiz isso umas quatro vezes, no mínimo. Reler é bom mas reler por que sua memória apaga as páginas da sua mente é um tanto quanto angustiante)


22.03.02
O número de homicídios de jovens no Brasil supera o de países que vivem em estado de guerra, como Israel, Croácia, Eslovênia e Irlanda do Norte (Jornal do Brasil)

Perto das notícias do nosso dia-a-dia, Stephen King é cafezinho.




Entrei na Livraria da Travessa, não aparecia lá desde o ano passado. A delícia que é ficar olhando os lançamentos, sem pressa, folhear um livro, outro. Muitas novidades mas eu já tinha em mente o que eu queria, se não pintasse nenhuma surpresa de última hora.

Gosto de passar as mãos nas capas dos livros, para sentir a textura, ler trechos, frases soltas. Comprei Alhos e bugalhos, do Paulo Mendes Campos ( reeditado pela Civilização Brasileira, que foi comprada pela Record, nem sabia), O ladrão que estudava Espinosa, do Lawrence Block e Lado B, do Sérgio Augusto. Vou ler tudo ao mesmo tempo, como convém. Felicidade é isso :)


Então não apanhei no chão o que reluzia. Era ouro, meu Deus. Era ouro, talvez. (C.Lispector)

Cecília

Cecília Meireles nasceu no Rio de Janeiro, três meses depois da morte do seu pai e perdeu sua mãe antes dos três anos. "Essas e outras mortes ocorridas na família me deram, desde pequenina, uma tal intimidade com a morte que docemente aprendi essas relações entre o Efêmero e o Eterno. Em toda vida, nunca me esforcei por ganhar nem me espantei por perder. A noção ou sentimento da transitoriedade de tudo é o fundamento da minha personalidade".

(Do livro 100 anos de Poesia)




Queria tanto voltar ao meu planeta de origem! 



20.03.02
O sapateiro de Paris. Mmm.




"Houve quinto carnerinho / Talvez tenha sido mais sábio / Mas não me escapa do carinho / a adormecida Marina W."




O homem é o único animal que comenta.






Poucas coisas combinam tanto como água e sol. Quando você leva o jornal junto, aí fica perfeito. Principalmente se você evitar a Roseana, e se fixar só na parte cultural, digamos assim. Veja quantas coisas eu descobri só lendo os segundos cadernos de hoje: Caetano Veloso acha a Michelle Pfeiffer feia. Adriano, do BBB, estava no maior amasso com a Glória Maria numa pizzaria de Ipanema. Amaury Jr. colocou uma microcâmera na cueca de Chiquinho Scarpa, ao vivo. Brad Pitt está feio, com uma barbona tipo matusalém.



Vou passar a tarde fazendo um trabalho em um outro computador, sem internet. Saco.



Então não apanhei no chão o que reluzia. Era ouro, meu Deus. Era ouro, talvez (C.Lispector)


17.03.02
Troquei o cigarro por cubos de gelo. Cubos de gelo não dão barato nenhum.


        Isabel Muñoz






15.03.02
Complexo de Linus Durmo de edredon todos os dias do ano.

Zen Eu quero o ouro.


Das coisas idiotas da vida

Votar por que o político é "jovem".
Votar por que o político é "boa pinta".
Votar por que o político é "mulher".


Manias Andar no meio da rua. Andar com a bolsa aberta.



Amor na Urca Dizem que o Rei e a bailarina estão namorando mesmo.



Me digam se existe alguma coisa mais fofa no mundo do que aquele baixinho que faz (em dupla) os anúncios da Brastemp.


11.03.02
Por falar em andar pra frente, lembrei de uma genial do Millôr que eu vi na Folha. Trata-se de um post repetido, que publiquei um julho. Acho muito definitivo.

Ou agora se decide de uma vez por todas que, pelo simples fato de nascer, o ser humano tem direito a um mínimo de comida, de abrigo, de educação, de diversão (sexo também, sem ser em pé no poste) ou essa porra explode.





Uma vez vi o Wilson Grey no Calamares, na Lopes Quintas, pedindo uma casquinha de creme. Depois de horas de espera, ele disse:

Eu peço um sorvete e vocês fazem um romaaance...



Contraste

"Estou gostando. A realidade é uma coisa interessante. Está bom assim." Patrícia Pillar, ao aparecer pela primeira vez em público com os cabelos raspados.

"É tempestade em copo d'água." Fernando H. Cardoso, sobre a atual crise do governo.


10.03.02

Quando estive em Londres visitei os sem-teto a quem nossas irmãs serviam sopa. Um homem que vivia em uma caixa de papelão segurou minha mão e disse:"Há muito tempo não sentia o calor de uma mão humana". Madre Teresa, em A simple path


                                   


isabel muñoz


Existe uma mulher que eu acho extremamente interessante: Hilda Hilst. Embora não me lembre de já ter lido algum dos seus livros - provavelmente são muito complicados pra mim.

Parênteses: O mesmo posso dizer dos livros da Flora Sussekind, pessoa que eu amo, madrinha simbólica do meu namoro com o meu marido, minha ex-professora e sem dúvida uma das mais brilhantes cabeças do país. Tenho seus livros - dedicatórias lindas - mas nunca li, por que conheço meu limite intelectual, que infelizmente deixa um pouco a desejar.

Mas voltando a Hilda, gosto muito desse tipo de mulher. Estou sempre catando entrevistas com ela e saboreio sua personalidade forte. Hoje estava lendo na Isto É uma matéria sobre ela que, como se sabe, mora na Chácara do Sol, no interior de São Paulo. Foi uma mulher lindíssima e se mandou da cidade em 1966, quando tinha 36 anos. Cercada por 60 cachorros, fumando dois maços de cigarros por dia e com problemas de saúde, ela continua a mesma mulher poderosa que sempre foi. E como se não bastasse, revela que namorou, em Paris, Dean Martin e Marlon Brando. Ora, ora.

No Brasil existem muitas mulheres bacanas, famosas ou não. Hilda é uma delas.


08.03.02

Clarice: Duas ou três coisas sobre ela


...Apesar de incapaz de um ato de violência, só assistia a filmes fortes. Os de crime exerciam atração muito forte sobre ela. Dizia que gostava tanto de cinema que se pudesse iria todos os dias. Apreciava o romance policial. Principalmente os de George Simenon.


...Também a cartomancia e a arte do horóscopo a atraíam. De vez em quando, consultava uma cartomante; anotava então cada uma das visões do futuro reveladas pelas cartas. Não queria, porém, os "fatos" desse futuro. Queria apenas o seu mais obscuro sentido.


...Sempre que saía à rua, ficava aflita. Se não conseguia táxi, andava dois ou três quarteirões, pelo meio da rua, à procura de um. Não conseguia aguentar fila de espera em bancos, cinemas e furava sem cerimônia - e sua ousadia raramente ocasionava protestos.


...De volta à casa, após ter feito o que programara, vestia o velho robe de chambre, calçava os chinelos, recostava-se confortavelmente no grande sofá de couro preto da sala, suspirava, em parte de cansaço, em parte de satisfação. Nesses momentos mostrava-se tranqüila, em paz consigo e com o mundo. Dizia:


Só é bom sair pela alegria de voltar.


(Do livro de Olga Borelli, sobre Clarice Lispector)




Error Você viu? O Universo não é verde, como tinha sido anunciado em janeiro. Os pesquisadores americanos explicaram que o software usado na pesquisa era "daltônico" e tomava por branco o rosa-claro, alterando a leitura. O Universo é bege-rosado.



07.03.02
" Só acreditarei que a mulher chegou lá, no dia que houver o mesmo número de chefias de mulheres imbecis quanto há de homens". Mariza Tavares, diretora da CBN. Genial.


06.03.02
COMENTA-SE...

QUE CAIU COMO UMA BOMBA
 no final dessa tarde a descoberta de que 9 agentes de saúde ( mais conhecidos como mata-mosquitos) estão com malária. Agora existe o risco de outras pessoas serem contaminadas com essa doença que até então não existia no Rio de Janeiro.
9:58:32 PM






maravilhosa

Depois de ver um Godard, a turma de intelectuais da década de sessenta, a chamada turma do Pasquim, foi direto pro bar, beber e fazer reflexões sobre o filme. Cada um dizia uma coisa. As tomadas da câmera, a angústia do personagem principal, a ideologia, as metáforas. Era uma época de crises existenciais e fossa. Depois de muita discussão e muitos pontos de vista, Leila Diniz, que se distinguia de todos por ser extremamente solar, opinou:

- Eu acho que ela gostava dele.


Falou e disse

"Num tempo de louras artificiais, a beleza está careca. Num espaço geralmente reservado aos canastrões da vida pública, foi preciso que aparecesse uma atriz para defender a verdade. Num regime civil inaugurado por Tancredo Neves, o presidente que morreu antes da posse por malversação de esperteza, aplicando doses cavalares de dissimulação no tratamento de uma infecção, uma candidata a primeira-dama mostra que doença também se deve carregar em público com altivez".
(Marcos Sá Corrêa, no no.)

Do blog da Cora. 


05.03.02




Katherine Mansfield's Birthplace

Eu quero que você fique bliss.


Lições preliminares de Filosofia, de Manuel Garcia Morente. Pro meu coração ficar feliz.(Meu coração esnobou as explicações dos filósofos, ou minha cabeça não quis cooperar. Fugi então para o Drummond - dessa vez as crônicas - que como sempre me recebeu de braços abertos ;-)




Hoje a juíza Denise Frossard, pessoa que eu admiro muito e que tem o meu voto (não pelo fato dela ser mulher, mas por ser corajosa), contou numa palestra sobre o dia que a sua bicicleta foi roubada.

Ela foi dar queixa na Delegacia Legal.

- Nome
- Denise Frossard
- A senhora é a juíza?
- Sim
- Então vamos pular essa pergunta. Autoridade não precisa dar endereço.

O delegado então passou para o próximo item mas o computador não aceitou o campo não preenchido. Então ela deu seu endereço.

- Qual o motivo da ocorrência?
Ela falou. Mas na lista de opções do computador não havia roubo de bicicleta. Então ele escreveu à mão.

Dias depois ela ligou para a delegacia.

- Aqui é uma vítima. Gostaria de e saber informações sobre o roubo da minha bicicleta.
A atendente:
- Não tenho tempo de atender agora.

Mais tarde a mesma atendente liga de volta para a juíza, pedindo desculpas.
- É que a senhora não me falou quem era, justificou.
Denise:
- A polícia é paga através dos impostos dos cidadãos. Vai ficar muito caro pra mim e para a minha família pagar a polícia só pra nós.

Sem comentários.


A coragem é a qualidade que eu mais admiro num homem. Numa mulher também.


04.03.02
Billie Holiday

Seu apartamento vivia cheio de gente e um de seus grandes prazeres era cozinhar para os amigos: arroz, feijão, carne de porco. Outro prazer, quando voltava da rua, de madrugada, era lavar os pratos e arrumar a casa: punha o avental, encarava o tanque e o escovão com uma disposição de estivador e depois ia dormir. Tinha uma vitrola último tipo, que rodava dia e noite com os seus discos e os de Louis Armstrong. Quando lhe pediam para autografar um disco, ela escrevia: "Obrigada por me amar".

(Do livro Saudades do Século 20, de Ruy Castro)



Descrédito Não estou vendo muito televisão, na verdade não estou vendo quase nada. Não que eu tenha algum preconceito contra ela, acho uma invenção e tanto. Simplesmente não ando tolerando tanta coisa ruim. Do Clone também me enchi. Acho que estou meio ranzinza :o Não assisto o Jogo do Milhão, nada contra mas também nada a favor. No entanto, soube pelas revistas semanais que um senhor, também conhecido como homem-enciclopédia, perdeu o prêmio máximo por que "achava" que na bandeira do Brasil estava escrito Ordem ou progresso. Alguém pode acreditar numa coisa dessas? Há de se ter uma mínima credibilidade no mercado, seu Silvio Santos, ou o negócio vai pras cucuias (Eu e minha inocência, Afe...)


Jornais

Li no JB que Russell Crowe será o escritor inglês Ted Hughes e Gwyneth Paltrow a poeta americana Sylvia Plath, num filme da BBC. Às vezes parece que só existem esses dois atores no mundo, puxa vida.

Ontem no jornal O Globo, disse o Xexéo, que o troglô Kleber (BBB) respondeu na gincana do Multishow que a minissérie "Os Maias" foi baseada na família do prefeito do Rio.



(Não reparem, minhas vírgulas ganharam vida própria e simplesmente não me obedecem mais)


NutellaTudo que eu gosto é imoral, é ilegal ou transgênico.


01.03.02
Correspondência eletrônica
Olá Marina,
estava a ler o seu blog quando vi a pergunta como se escreve zero em numeração romana. Eu posso responder que a a numeração romana não tem zero ! O zero só foi introduzido com a presença dos Árabes na Europa.
bj, Flora.