Li a biografia da Madonna (Madonna 50 anos), escrito por uma pessoa que tem admiração por ela. Claro que toca em pontos não muito admiráveis, mesmo porque é difícil esconder. Agora estou lendo a biografia não autorizada, na verdade relendo, esqueci tudo, e o ponto é: qual dos três tipos é melhor? Autorizada, não-autorizada, ou autobiográfica? Prefiro a última, mas depende. A não autorizada peca pela credibilidade, será que aquele amigo que não quis se identificar existe mesmo? (A biografia que mais me chocou foi a da Sylvia Plath, a autora tinha antipatia por ela, e só falava coisas boas sobre o Ted Hughes)

Repito tanto as palavras, que sempre me lembro do João Ubaldo, que em A casa dos budas ditosos, não repetiu nenhuma. Nenhuma. O escritor foi assistir o monólogo da Fernanda Torres e depois, no camarim, disse constrangido que a atriz tinha repetido a mesma palavra duas vezes. Claro que daquele jeito dulcíssimo dele. Quis escrever a palavra dulcíssimo. Sei lá. 


As autobiografias são as mais mentirosas. Porque todas são santas. Veja, não há moralismo aqui. Tudo é humano. Se trata de comparações de estilo. Exemplo: Ingrid Bergman: a vida é um jardim de flores. Mas outra contava seu relacionamento conturbadíssimo com Rossellini. Ava Gardner a mesma coisa. Vida pacata, quietíssima, e não a Ava sempre cambaleando, jogando móveis do Hotel Glória pela janela etc. Agatha Christie passei os olhos, tudo era tão cor de rosa, e o livro grossíssimo. Será que ela contou que tinha depressões terríveis? E que escrevia na banheira com maçãs? Sabe que eu cansei do assunto no meio do post?



23.04.12
Ontem o blog fez onze anos, galere. Estou fazendo tipo uma revistinha no Facebook, por isso às vezes dou uma sumida. Beijo.

21.04.12

Sábado com chuva, um pouco entediada, acabei a biografia da Madonna (pequenas críticas para amenizar a simpatia da biógrafa, fã da cantora), 440 páginas em dois dias, acho que porque larguei o twitter. Dormi de tarde e sonhei o tempo inteiro com a cantora e a minha dificuldade de me comunicar em inglês. No final do sonho, única parte que me lembro, pedia a minha filha para traduzir o que eu ia dizer - obviamente pedir para ela deixar de usar peles, mas no meio da conversa notei que ela estava traduzindo em linguagem surdo mudo.




Vou voltar a Tenho algo a dizer, peguei o embalo, é ótimo. Quero assistir Receberia as piores notícias..., porque o livro é uma jóia. Chorei muito, e o Marçal Aquino se surpreendeu, nunca ninguém tenha dito que chorou.




19.04.12


Ah, assim que chegou, xerife pegou o porta-açúcar de palhinha da mesa do lado e começou a mastigar. Voaram envelopinhos para todos os lados.
Difícil fazer fotos com a digital em uma mão, e o Xerife na outra, me puxando com força. O Le pain é o único lugar onde as pessoas que moram por aqui podem conversar. Ou no Rebouças, a.k.a Jorjinho, se você for bebum. Frequentei intensamente o pé sujo de bolinhos sensacionais, durante quatro dias. O suficiente para conhecer profundamente tudo. 

Os caras de trinta e poucos anos começam a beber de manhã e param de madrugada. Então ali é o ponto de encontro dos cachorrinhos, que ficam sem coleira ao lado do dono, por horas. (Não teria coragem de deixar meu cachorro sem coleira, mas sou paranóica, então minha opinião nem deve contar muito).

Xerife é um cachorro alucinado. Que gosta de se jogar na frente dos ônibus, quer atravessar no meio dos carros, e é hiperativo. Ontem fui almoçar com BethS no japa. Depois jogamos na Mega. Fomos na Timbre a fim de pesquisar. Ela saiu com livros ótimos - de cinema, da Ana Maria Bahiana, e Hilda Hilst. Já estou no meu 4534565 romance, mas todos acabo deixando de lado. Rona disse para não jogar nada fora. Não é mole não. Tão tensa, que estou com taquicardia.




15.04.12

Um blog sobre Avenida Brasil & outros babados.


(Cont. do Facebook) Avenida Brasil começou agora e o João Emanuel já nos contou tudo: o Dino é pai do Rufão, e a mãe Lucinda da Carminha. Até a Nina soube. Soube também que o Max é amante da Carminha. Ela descobriu que Jorginho era o Batata, e ontem o Batata descobriu que ela era a Rita. Sabemos de tudo. O Cauã Raymond não é excelente ator, mas é, no mínimo, um cara simpático. E parece esforçado. João Emanuel é excelente, novela dele não tem barriga.

---> O que é Marcos Caruso?

Já me fiz essa pergunta várias vezes. Porque ele sempre arrebenta e comove. Quem viu aquela peça com ele e a Irene Ravache? A Leandra teve que me segurar pra eu não subir no palco para beijá-lo. Assim como o Wagner Moura, Marcus Caruso é um papel em branco. Sempre está diferente. Agora com um personagem mais raro, o malandro legal, mostra o que é ser um grande ator. Porque a Eliane Giardini está ótima, ela dá muita vida à novela, adoro, mas não está muito diferente de uma outra novela aí, acho que é O Clone. É incrível como o Brasil tem atores bárbaros. E é quase soap opera, principalmente quando o novelista é o Manoel Carlos, que entrega o capítulo de véspera. O Tufão é um grande personagem. Aguardo ansiosa as cenas dos próximos capítulos.




14.04.12

River Phoenix, K.D. Lang e Liza Minnelli.
                                                                         
                                                                            
E dando os trâmites por findos
Porque hoje é sábado
Há a perspectiva do domingo
Porque hoje é sábado.

Vinicius de Moraes.

                                                                       


spritz veneziano: 1/3 prosecco, 1/3 Aperol (ou Campari), 1/3 mineral gasosa, 1 aceitona, fatia de laranja, gelo.(Contardo Calligaris @ccalligaris - twitter)
                                                                      


Av. Brasil
 Essa parte da Tessália é dose. E também daquele armarinho. Socorro. Eu gosto é do casal que une o bem e o mal: Tufão e Carminha. E de toda a família que habita o palacete. Luxo.

Apaixonada pela Fabíola Nascimento, a Olenka. Nunca tinha visto novela com a Débora Falabella, a não ser pedaços daquela onde ela se drogava. Da Glória Perez. Não assisto novela da Glória Perez. Achava que a Débora Falabella era picolé de chuchu. Mas nem é.


*Formidável é um adjetivo que deveria ser resgatado. Porque é ótimo, lembra Nelson Rodrigues.



                                                                  Paparazzi
Adriana Esteves


Não aguento pessoas que vendem felicidade. Uma vez conheci uma mulher. Fomos beber chope. Ela falou das filhas dela, perfeitas. Minha filha está super bem casada, ele é um super executivo.

(*meus filhos, Maria Clara e Francisco são os mais lindos mesmo, e os mais engraçados e inteligentes. Não é porque são meus filhos, é sério.)

: ~

Coruja áááá era uma música que minha mãe adorava. Acho que é Deno e Dino: a mulher de cem anos.




Aquelas pessoas que adoram dizer como são felizes. Meu marido é espetacular, ganho rios de dinheiro, é respeitada no trabalho etc. Porque minha outra filha é simplesmente o máximo, meu marido vai ser promovido etc. Daí viramos amigas, e vi que a família era super problemática mesmo. Era tudo mentira, mas ela não estava mentindo pra mim, estava falando tudo aquilo pra se convencer. Acho eu.

Quando estou muito feliz - o que não é raro - e alguém pergunta como estou digo "Tudo ótimo"." E aí entra o que eu quero dizer, finalmente. Sei que muitas pessoas que estão lendo esse post estão deprimidas. Algumas deprimidíssimas meesmo. Depressão química. Então, se eu digo que estou feliz estou querendo dizer "passa". Parece que não, mas passa.

E repito sempre a frase mais importante do Diário: se você é bipolar, e muita gente não sabe que é, porque tem depressão muito pequena, e uma grande mania, ou vice e versa. Se você tem dúvidas, vá ao médico e questione sempre. Diga que tem impulsos de comprar coisas, algumas repetidas, e tem ciclos de humor, se for o caso. (O dr. Olavo fala uma coisa formidável: Ele trabalha no único ramo da medicina em que a pessoa não quer ficar boa. Quem tem só euforia vai tratar pra que?) Sempre estico post.

Mesmo sendo uma doença que está em evidência, os diagnósticos ainda estão sendo dados de maneira incorreta.

Vou resumir, se você sofre de Transtorno Bipolar de Humor não use antidepressivo como remédio principal. Afunda a pessoa. Passei por isso tomando Effexor, que é remédio para quem só tem depressão, quando a pessoa é unipolar. Então as depressões se tornaram mais profundas, e uma seguida da outra. O remédio certo é regulador de humor.



Amarulas em papel crepom.



Passadeira: Nunca vejo seu esposo...
Eu: Me separei.
Passadeira: Ah, é? Meu marido fala em separação, mas eu não quero não.
Eu: Haha. Mas se ele quer...
Passadeira: Mas eu não quero não. Quero ficar na casa que eu moro.
Eu: Mas ele pode sair.
Passadeira: Quero que ele saia não.
Eu: Haha.
Passadeira: Esse negócio de separação não é comigo não.

Hahaha.



13.04.12



Vera Holtz é mãe da Adriana Esteves, em Avenida Brasil. Por falar nisso, João Emanuel Carneiro está colocando novamente duas atrizes para duelar. É ótimo. Quem não adora a Carminha? É a parte pela qual me interesso. A Débora Falabella segura o personagem. Tem muito núcleo chato nessa novela, e o melhor é o da família do Tufão. Não gosto do Murilo B., mas ele é ótimo, sou obrigada a admitir. Enfim, tá muito cedo pra falar. (O autor é super ousado, porque a Nina descobriu na primeira semana que o Jorginho era o Batata, e agora ele descobre quem é ela. Quer dizer, não fica aquela lenga lenga até os capítulos finais)


Matisse, 1939



Hoje precisei ir ao cartório, quando cheguei faltavam 20 e poucos números pra minha senha. Não me importo: tendo cadeira e coisa pra ler tá ótimo. E ainda tinha ar condicionado. Das 20 e poucas pessoas apenas duas não estavam de jeans. Dois homens usavam capanga. Nenhuma delas estava lendo, excluindo um homem e uma mulher que liam jornal. As pessoas esperavam com seus envelopes na mão. Ninguém parecia estar usando o celular para jogar ou reclamar no twitter.

Fiz orelhinha em várias páginas dos diários de Andy Warhol. Estava com o livro certo, porque podia abrir qualquer página. Na minha opinião, Andy Warhol é pura enganação - embora ache interessante a ideia de coisificar pessoas, mas é um excelente cronista do seu tempo. É o fino. Quando chegou minha vez, foi tudo muito rápido, a atendente disse que aquele cartório não reconhecia firma. Já eram 20 pras 5 e eu tinha que correr até a Real Grandeza.


Tinha uma fila de três pessoas, e deu tudo certo. Estou escrevendo o projeto de um programa para TV a cabo. Outras coisas aconteceram, mas não tenho paciência para lembrar. Vim aqui mais pra marcar território. Sabe como é.

12.04.12
Tô mais no Facebook mesmo.



09.04.12
Contas. Taquicardia. Hamburger de girassol. Escrivaninha é como estante, vai se arrumando sozinha. Muitas contas a pagar, somar dá nervoso. Saí com Xerife para ir ao correio, e supermercado. Não deixei amarrado, fiquei aguardando os produtos na porta: Coca-cola, queijo minas, chocolate meio amargo. Os cadernos lindos, imaculados, esperando por mim.

08.04.12





03.04.12
Quando Daniel Filho escalou a Sonia Braga para ser Gabriela, foi espanto geral. Não pra mim, que tinha a mesma intuição. Ela era branquela e baixinha. Deu no que deu. Escolher Juliana Paes para viver Gabriela é, no mínimo, muita preguiça. Porque é tão óbvio. A Juliana Paes é o óbvio olulante. Nacib também só existe um: Armando Bógus. Até Mastroianni se deu mal.






23:50 Kiebe Paradise, Bravo! - com o Antonio Fagundes na capa, o diário do artista pop (que da primeira vez me pareceu mais encantador), e o livro sobre o psicanalista: é preciso ter calma. Imposto de renda, somar contas de abril, telefonemas e exames de sangue. Está rolando uma inflação, glr. Passar texto do Olavo a limpo. Escanear. Separar papeladas. Contador cobra 200. Salada de bacalhau com grão de bico (Nete, a mulher dos congelados).

Tento roubar um cacho de flores brancas, o galho muito alto, caem todas as folhas no chão. Há dez minutos fui experimentar uma camiseta, logo que ganhei já sabia que não era pra mim, o tecido cola no corpo, uma malha muito fina. Me olhei no espelho de lado. Estou gorda. Gorda para o meu tamanho. Sou aquela que de roupa engana. Gorda.

Minha dieta não tem restrição alimentar: como tudo que gosto. Como se o mundo fosse acabar este ano. O festival chocolate já começou faz tempo. Xerife agora adora passear, mas é um cachorro suicida. Quer atravessar a Jardim Botânico com sinal aberto. Cachorro do Larry David. 


Fiz um Caderno das faxineiras. Coloco observações que vão de excelente a "deu o golpe do computador". Mamão com chia (sou refém do mundo bizarro), e deliciosos hamburguers de soja e legumes, só colocar no forno, muito bom mes-mo. Só esquentar. Na segunda vez que comprei (ontem) perdi em algum lugar. Cheguei em casa e na sacola não estava. Fiquei muitíssimo chateada.

Renovar ioga. Marcar raio X. Dar início ao processo: ganhar dinheiro. Dentista. Terminar o Caderno de Sonhos. Terminar o livro de Amor. Aterrissar na Terra. Lua redonda. Biografia amororosa (ou não). Deixar no cofre. Figas.

Alice deu pra dormir com a cabeça apoiada no tecla0000000000000000000000000000




Celso Fonseca e Ronaldo Bastos: Kiebe Paradiso!


01.04.12
Sexta sábado domingo Ganhei uma foto onde apareço grávida, madrinha do casamento da minha melhor amiga. Dez dias antes da MC nascer. Meu olhar é o mesmo da fotografia da minha primeira comunhão. Confidências & cervejas estupidamente geladas. Cheguei em casa quatro e meia da manhã. Descobri um sebinho no porão da livraria Eldorado, na Saens Pena, super, comprei um livro da Ruth Rendell por um real. O domingo de sempre, rotina que adoro. Cheguei em casa, louça lavada e sala brilhando: meu filho. Ganhei rosas, e mais.

Não vimos Heleno, sessão esgotada.
.....
Partiu Heleno.