30.06.01


Recordar: Do latim re-cordis, tornar a passar pelo coração. (Eduardo Galeano, O livro dos abraços)



Dan Escobar




Tire mais uma foto minha que eu enfio essa câmera pela sua garganta adentro, depois de cruzar essa rua, pular aquela janela, nadar por aquele rio, atravessar a floresta e subir ao topo daquela montanha.

Máquina fotográfica Olympus Superzoom.

Graças a Deus que só um deles pode ganhar!

Adesivo durante a campanha Kennedy - Nixon.
(Achei meu livro de frases do Duailibi, tem umas frases de comerciais bem legais.)



                                     





"Já vi maiores. Mas também já vi menores. O dele era apenas bonitinho." Divine Marie Brown, sobre Hugh Grant


Felicidade é estar sozinha em casa ouvindo Françoise Hardy. Hoje, se tudo correr bem e der tempo, vou ao teatro ver o Antonio Fagundes.


29.06.01

Escrever blog é cortar eus.



diana spencer




                       
Te escrevo porque tenho poesia. Se tivesse botânica te mandava flores e se tivesse medicina te salvava a vida...

(Do Blogluz)  


kyle froman                                               



28.06.01
Mestrinho presidente da Comissão de Ética? Dessa vez a piada veio pronta.




Primeiríssima mão: Carlos Schroder é o novo diretor de jornalismo da Rede Globo. Ali Kamel, ex-O Globo, será o número dois.




Sobre Deus: Com o mesmo fervor que eu peço eu agradeço.




Meu herói.




Jack Lemmon morreu? :o'(


27.06.01
Aeroporto. Depois, pausa para curtir Maria Clara.




Primeira mão Últimas notícias sobre o substituto do Evandro, na direção de jornalismo da Globo. Merval Pereira é o mais cotado para ser o número um, Carlos Schroder poderá ser o responsável pela operação do jornalismo, e Alice-Maria a responsável editorial. Além do jornalismo da TV, Merval mandaria também no jornal O Globo, e no sistema de rádio.



Vida inteligente na tevê aberta. Observatório da imprensa, na TVE. Ontem, Alberto Dines discutiu com Ricardo Boechat, Muniz Sodré, e vários jornalistas sobre o uso do grampo na imprensa. O tempo foi curto a discussão, mas pelo menos vimos o Boechat espumando, e se defendendo das acusações da Veja e do Globo.



C. também é fã de Tom Ripley e conversamos sobre seu (quase) imperceptível comportamento gay nos livros de Patricia Highsmith, que o cinema escancarou. Adorável psicopata. Mais para Alain Delon do que pra Matt Damon. Nunca Denis Hopper.


Caetano cantando Coimbra é lindo.






Adoro nomes

Armação, Azeda, Azedinha, Brava, Canto, Caravelas, Ferradura, Ferradurinha, Geribá, João Fernandes, José Gonçalves, Manguinhos, Ossos, Rasa, Tartaruga e Tucuns.





Os livros de escola costumam ser chatíssimos. Há pouco tempo, a Maria Clara teve que ler Senhora e não conseguiu. Não tiro a razão dela. Além de chato, o livro de José de Alencar é escrito numa língua que ela não conhece. Por isso achei curiosa a crônica do Cony, na última sexta-feira, na Folha. Ele fala da sua experiência na adaptação modernizada de O Ateneu, de Raul Pompéia.

"Escrito em 1889, a linguagem e a técnica narrativa é de difícil penetração para o jovem habituado ao vocabulário e ritmos audiovisuais do cinema, da tv, do rádio (...). Em O Ateneu o novato vai tomar banho de tanque (...), um veterano vem por trás e derruba o novato num caldo inesperado. Além do susto, o garoto bebe aquela água suja. Quando volta à superfície reclama do veterano que o derrubou, chamando-o de perverso. Um jovem de hoje que usasse esta palavra em tal situação seria evidentemente um efeminado. Ao chegar neste trecho, pensei em trocar o 'perverso' por um 'filho da puta', que seria mais realista. Tendo em vista o público alvo, usei um 'sacana'. Creio que Raul Pompéia teria feito o mesmo se escrevesse hoje a sua obra-prima".












O blog antes da mídia: Morreu o bambambam do jornalismo da Globo, Carlos Evandro de Andrade.


24.06.01

Visa: Colcha indiana branca com desenhos "africanos" pretos quando na verdade eu queria fundo preto com desenhos brancos. Almofada indiana com girafas. Não vi os gambás no telhado, mas sei que estavam lá. Agora um cachorro me tem: Joe, um vira-lata creme.



Em dada altura, o protagonista, o entediado Victor Ward, topmodel do Calvin Klein, checa com seu funcionário a lista de tops para o jantar e a festa da noite de inauguração do seu clube.
- George Stephanopoulos...
- Quem?
- É o ex-assessor da Casa Branca...
- Eu sei, é claro que eu sei de quem você está falando. Só convide ele se vier com alguém conhecido - recomendo
- Mas Victor...
- Só se o cara, até às nove da noite, conseguir trazer com ele a Jennifer Jason Leigh, ou a Lisa Kudrow, a Ashley Judd ou outra mais famosa.
(...)
- Lisa Loeb?
- Ai, essa festa vai ser mesmo um sucesso. Próximo nome.
- James Iha. Ele é guitarrista do Smashing Pumpkins.
- Eu preferia o Billy Corgan, mas tudo bem.
- George Clooney.
- Hum, ele é tão animado e festivo. Próximo.
- Jennifer Aniston e David Schwimmer?
- Bla, blá, blá...
(...)
- Staford Blarch
- Meu Deus do céu...
- Cai na real, Victor, o cara é dono da metade do Savoy.
(...)
- André Balazs?
- Se vier com a Katie Ford, sim.
- Drew Barrymore?
- Claro...e para o jantar também.
- Gabriel Byrne?
- Se vier com a Ellen Barkin, tudo bem.
- David Bosom?
- OK, mas só pra festa.
- Scott Benoir?
- Só pra festa.
- Leilane Bishop.
- Festa.
- Sandra Bernhard.
- Só pra festa.
- William, Stephen e/ou Alec Baldwin?
- Jantar, só pra festa, jantar, respectivamente.
- Boris Becker?
- Meu Deus do céu, isso tá parecendo a inauguração de uma filial do Planet Hollywood...será que estou lendo direito esse fax? Lisa Bonet?
- A própria mas ela diz que se o Lenny Kravitz vier, ela não vem.
- Ele vem?
- Vem.
- Então tira o nome dela da lista.
- Tim Burton?
- Uau, a coisa tá esquentando.
- Kevin Bacon...
- Ótimo, ótimo. Mas me diz uma coisa: cadê o nome da Sandra Bullock?
- O agente dela disse que não sabe se ela vem ou não.
- Meu Deus!
- Beatrice Dalle.
- Ela está na Europa filmando com o Ridley Scott...


Para quem gosta de celebridades é uma curtição.





Coloquei o Alberto Fuguet no freezer, temporariamente. Ou para sempre. Não que eu seja volúvel mas parecia que eu estava lendo um imenso blog de um adolescente chileno. Troquei por Glamorama, do Bret Easton Ellis. A orelha promete uma trama mortal, misturando moda, fama e política. O livro é recheado de referências. É passado em Nova York, 1998. Final do século passado, portanto.


via



Dias de verão, noite de inverno: a perfeição. Assistimos Malena, de Giuseppe Tornatore, no Cine Bardot, onde temos cadeiras cativas, na última fila, separadas das demais, ao lado de uma pedra enorme. Nas paredes fotos da mais charmosa das atrizes francesas. Gênero: verão de 42. De todos esses filmes de meninos que se apaixonam por mulheres, o meu predileto é Malícia, com a Laura Antonelli.





22.06.01
Inverno, vou nessa. Mil coisas, antes de viajar. Até segunda ;-)




Pule três casas.





No outro tive eu vi um Simpsons ótimo, infelizmente peguei no meio. Era um documentário mostrando a trajetória da família Simpsons, igual aqueles do E!. Homer tinha ficado rico com o desenho (e perdido tudo, claro) e a família vivia em pé de guerra, com a Lisa fazendo análise e o Bart, orgias. Muito bom, rarará. No final o apresentador ("Eu sou Adam West, vocês me conhecem de filmes como ...") dizia "Na próxima semana vocês vão acompanhar a carreira de Dom Pixote; daí aparece ele dizendo: "Eu era gay mas naquela época eu não podia falar...". Muito bom. Legal a Hanna Barbera ter cedido o Dom Pixote ;-)




Esqueci meu caderno de anotações em cima do balcão.



Sol delicioso de inverno. Cortei e pintei os cabelos. Reunião vapt-vupt. Preciso tomar um monte de resoluções e resolvo colocar tudo no papel. Júlia me orienta: "O que você precisa é tirar do papel".


20.06.01
A primeira-dama, Rosa Matheus, gravou o piloto de um programa, da grife Marlene Mattos, e agora está procurando um canal para negociar. Chama-se Simplesmente Rosinha. O Rio de Janeiro não merecia passar por este constrangimento. E mais: O Garotinho insiste com os artifícios para fazer campanha presidencial antes da hora.


19.06.01
Hoje cometi uma loucura mas não posso dizer aqui o quê. Por que falou então? Só para mostrar o espírito da tarde.




Muitas coisas me deixam maluca mas nada me deixa mais maluca do que não ter uma caneta na bolsa.



Onde = Onde indica permanência: Onde ele está? / Encontrou os livros onde lhe indiquei.
Aonde = Aonde usa-se com verbos de movimentos: Aonde ele foi?
(Manual do Estadão, minha bíblia.)



Hipertexto: Millôr Fernandes, na Bienal do livro, num momento de perplexidade em relação aos mistérios da internet: Pra aonde vai essa porra toda??


Paul Newman e Arthue Miller, 1968





greta garbo cecil beaton



18.06.01
Muito difícil o Jader Barbalho ser punido por alguma coisa. Circula em Brasília que ele tem uma carta na manga capaz de arrasar com o que resta do Governo FHC. Quem vai bancar essa? Nin-guém.




Como nenhum de nós podia ir mais além, / solucei alto e fui chorando, chorando, / até ficar singela e dormir de novo.  Adélia Prado










Domingo: sol, verde, sauna, piscina de água congelada, ducha. Asas sobre nossas cabeças.



Ontem na Band vi um documentário sobre formigas. Elas estão por aqui há cem milhões de anos. Sempre tive muito respeito por elas (apesar de me identificar mais com as cigarras) sempre desvio na rua, quando encontro aquela fila indiana carregando pedaços de folhas tão incrivelmente pesadas para elas. É um mundo fascinante, uma organização e uma hierarquia realmente inacreditável. Cada uma delas é criada para determinada função: operárias, cortadoras, organizadoras e uma, apenas uma, é a rainha. Elas dão muito duro, como na fábula de La Fontaine. E fazem pactos com as lagartas e borboletas (verdade).



16.06.01
Militantes do Peta tacaram uma torta de tofu na cara do Calvin Klein, em Nova York, em protesto contra sua última coleção, cheia de peles de animais. Mandaram muito bem.



Começo o sábado com náuseas, lendo no Jornal do Brasil trechos da campanha do Garotinho, no rádio.

Locutor: "Leia a carta aí, meu amado..."
Garotinho: "Marine Jesus de Santos, de Matosinhos, no estado de Minas Gerais: 'Sou ouvinte ávida do seu programa. Sem dúvida você será o presidente do Brasil".
Garotinho: "Marine, obrigado pela carta, irmã. Deus te abençoe muito, poderosamente. Você sabe, esse negócio de presidente, eu botei primeiro na mão de Deus, o que Deus quiser eu faço. Em segundo lugar, eu botei na mão de vocês. Já que você está orando, ore e divulgue aí em Matosinhos que o Garotinho pode ser candidato a presidente do Brasil"
locutor: "O senhor botou na mão de Deus, mas nós também temos que agir. Nós, povo de Deus, temos que começar a divulgar isso."

Enjôo, enjôo, náuseas.






Aluguei "O homem que vendeu sua alma", com Angelina Jolie. Fui pela caixinha:"Melhor impossível", dois globos de ouro, etc etc. Sempre acabo caindo no golpe da caixinha.



Comprei umas flores cor de laranja, conhecidas como esponja, há uns 20 dias. Comprei não só porque são bonitas mas porque duram bastante. Estão como no primeiro dia: perfeitas. Quando passo por elas desvio o olhar, estou enjoada. Pior que não posso me desfazer delas, estão vivíssimas!






                                         Os diretores
                                         Billie Wilder - Irma la douce

© Leo Fuchs 1963




15.06.01
Zapeando Ontem vi um pedacinho do programa da Vera Loyola, é muiito bom. O auditório come baguete e tem um mordomo que chama ela de madame. Mas ainda não é esse que substituirá o programa do Luiz Orlando no meu coração-trash. Há tempos que eu procuro algo tão legal como aquela mesa redonda daquele comentarista de cabelo black power e nada. Morro de saudade. Só se for agora.


Amor. Lembra do casamento do Fabio Jr. com a Patricia de Sabrit, que estavam cheios de amor pra dar? Já foi. No futuro todas as pessoas serão casadas por quinze minutos ;-)
Náuseas. Garotinho só fala dele mesmo na terceira pessoa.
Evangélico Se o Rodolfo está feliz assim, fazer o quê?



Candidato à presidência, Ciro Gomes, depois de defender ACM, agora defende também Jader Barbalho. Ele afirmou que é contra a CPI para apurar as denúncias contra o presidente do Senado. Anotadíssimo, apesar de que nem precisava, nessa eu não caio.





13.06.01



            Salve Santo Antonio!


A vida é oi-tchau.


12.06.01



O curta de Guy Ritche, com Madonna (Clive Owen) é parte do projeto The hire film series, patrocinado pela BMW. Seis minutos e 56 segundos. 




Agora que comecei a gostar muito do Hugh Grant, me lembrei de uma vez que estávamos juntos dentro de uma banca de jornal, em Ipanema. Eu estava com uma amiga, folheando revistas estrangeiras, quando olhei pro lado e vi uma mulher linda, com aquele cabelo e aquela pele de anúncio da Revlon. Só depois olhei pra ele. Elizabeth Hurley e Hugh Grant. Ela linda, apesar de baixa. Ele, branco como um papel. Mesmo não sendo tão fã, dei o dia como ganho. Óbvio.
Currículo.


Algumas palavras duras, / em voz mansa, te golpearam. / Nunca, nunca cicatrizaram./ Mas, e o humour? C.D.A




Quando eu vou à locadora alugar um vídeo sempre fico com o pé meio atrás com aqueles comentários atrás da caixinha, "sensacional!", "surpreendente do início ao fim!, "o filme do século!". E não é que descobriram que a Columbia Pictures inventou um crítico para elogiar seus lançamentos? O tal David Maning que nunca existiu enganou até jornalistas que costumavam citá-lo nos seus artigos.

Rarará.


10.06.01
Cowboys do espaço é um daqueles filmes que você canta a pedra antes da próxima cena. Carta marcadíssima, uma chatice.


Esse papo de patrulha ideológica é chato pra caramba masanteontem a Ivete Sangalo apareceu de madrugada na tevê dizendo que adora o ACM e vai estar sempre ao lado dele. Já o Gilberto Gil declarou que não acha que deva ser contra ou a favor. Deve sim, Gil. Violação de painel eletrônico é uma coisa legal? Me diz.



Prometer sempre prometo mas cumprir é que são elas. F-u-i.



A vida quando é bacana Maria Clara nos liga de Indiana. Está assistindo Cowboys do Espaço, no vídeo. Ao mesmo tempo que a gente, aqui no Brasil.


Comprei plantas: alpínia, pingo de ouro, ligustro, cordyline, maranta, chamaedórea, lícula, brassaia, pacová, pau d'água, pândano, baby sun, evolvos e lírios da paz. Cheque-pré.


Correspondência eletrônica

Oi Marina, consegui acessar [o blog]. Sabe de uma coisa: adorei. Não vi outros, mas o seu me deixou impressionado pela variedade dos temas, pela riqueza gráfica, pelas observações, pelas citações e tudo mais. E, claro, fiquei envaidecido de ter sido citado. Parabéns e obrigado. Abraços. 

Mauro Ventura



Hipertexto: ainda morro disso.



Os mortos não têm querer. Será que a Ana Cristina C. gostaria de ver suas cartas íntimas reveladas? Drummond gostaria de publicar todos os seus poemas eróticos? E o Cazuza quando jogou na cesta de lixo as letras que o desagradaram gostaria de vê-las reunidas num livro?



07.06.01
Orson Welles tinha 25 anos quando rodou Cidadão Kane, 23 quando provocou pânico com A guerra dos mundos, 22 quando foi capa da Time, 21 quando era tão solicitado no rádio que as emissoras alugavam ambulâncias para levá-lo de um estúdio ao outro, enquanto Orson ia repassando o texto pelo caminho. (Ruy Castro, Saudades do século XX)



Ontem, zapeando, fui parar no O+, da Bandeirantes. Realmente não tenho palavras. A Sabrina deixou seu reinado (?) na MTV para ser ajudante de palco. Não entendi se ela estava debochando do programa de games que apresenta (?) ou se ela estava bêbada ou algo assim. Sua performance foi constrangedora. O pedaço que vi : Ela perguntou a três jovens porque a abelha morreu eletrocutada(?). O primeiro escreveu: Porque ela tomol choque. O segundo: porque não morreu de outro geito. O terceiro: Porque ela mordeu o fiu. Palavra de honra. E a Sabrina cada vez mais horrorizada, dando umas risadas sinistras. Depois entraram aqueles gêmeos - que que é aquilo? Nem esperei a Feiticeira. A maior roubada do mundo é sair da MTV. Acho que eles rogam uma praga e a pessoa não se acerta em lugar nenhum. Quanto à abelha... Vocês querem saber porque ela morreu eletrocutada? Não, né? Claro que não.

Performances

Martin Landau em Ed Wood
Jason Robards em Magnolia
Dustin Hoffman em Lenny (ou qualquer outro filme)
Sean Connery em Os Intocáveis
Al Pacino em O Poderoso Chefão III
Terence Stamp em Priscilla
Anthony Hopkins em O Silêncio dos Inocentes


06.06.01


Fiquei vendo Por dentro do Actors Studio, no F&A. A idéia é simples. Alunos de teatro na platéia e um ator famoso no palco, respondendo perguntas. Já tinha assistido uma vez com a Sonia Braga. Hoje foi com a Geena Davis. Bem legal. Podiam fazer um aqui também, nossos atores são os tais.



O anjo que trabalha na minha casa está na fila do médico desde oito da manhã, esperando para ser atendida. Digo que ela não precisa vir, claro, e faço eu mesma a comida, varro, lavo à louça, arrumo a casa. Assim, de vez em quando, é bom. O segredo é colocar a música certa e Zeca Pagodinho cai muito bem. Sou rapidíssima. Chato é ter que sair daqui a pouco pra trabalhar.



No filme do Woody Allen, Desconstruindo Harry, tem uma cena onde ele desce ao inferno, de elevador. Uma voz vai anunciando o que pode ser encontrado em cada andar. Alguma coisa como primeiro andar, críticos de cinema, segundo andar, advogados etc. Já fui ao inferno e voltei, quando estive num evento de corretores de imóveis, no Jockey. Quando eu entrei, eram centenas e centenas de corretores e maquetes e prospectos e na mesma hora, mesmo não tendo visto o filme ainda, eu pensei: Estou dentro de um filme do Woody Allen. Fiquei menos de quinze minutos mas acho que garantiu minha salvação eterna. Espero.




05.06.01





Minha vizinha Flanders faz um festival de pastéis e me manda uma cestinha com dois de cada sabor. Passo a noite vendo tevê - Friends e That's 70s Show - lendo e escrevendo cartas. Temperatura amena.




Na contracapa de Baixo Astral está escrito que Fuguet é o infant terrible do Chile e que seu protagonista é "primo espiritual de Holden Caufield".Por isso me interessei. Também tem palavras carinhosas do Vargas Lhosa e, na orelha, diz que a revista Time o apontou como o porta-voz de sua geração e um dos líderes da América Latina para o novo milênio. Não é pouca coisa. Mas pra mim, pelo menos até agora não tem nada demais. E é chato.



...os tristes e alegres sofrimentos da gente... João Guimarães Rosa



É impressionante como eu me satisfaço com pouco.



Estão lavando com jatos d'água as paredes externas do prédio. Parece que está caindo uma tempestade, sensação deliciosa.





Friends É hoje que a Jennifer Aniston vai beijar a Winona Ryder.





felicidade é alguém lhe dizer que seus pés são intrigantes/ acho que mamãe apaixonou-se por um marciano/ marlon brando no tango é tão tesudo/essas idéias que acordando cutuco/ borbulhantes/ ontem a noite correu como um suspiro/ o gatão tinha planos concretos/ de bordar uma tese provando/quepenélopesinforcounoprópriodesejo/ achei um botão no lençol/ escrito em inglês don't/ let me down/ agora é cinza e me custa/ tocar a claridade lá fora/ o martelar da cidade/ rio boutique do tédio/ lavo o rosto/ vou à praia. Ledusha

martin valente





Sonhei que o mundo era um blog. Juro.




Platão Acho uma anotação antiga, de um ex-namorado: Morangos perfeitos, cactus macio. Ao lado dos morangos concretamente perfeitos sempre sonharei com o cactus que me espete o coração.





01.06.01
O banco 24 horas agora é banco 16 horas. O brasileiro pode se queixar de tudo, menos de monotonia.



Voltei. Tomei um chá de televisão que é o seguinte. Vi um especial sobre o Red Hot Chili, na MTV, depois um documentário sobre o homossexualismo nos filmes de Hollywood, no Max, e Os Normais, na Globo. Talvez eu veja o Jô, ainda não sei. Overdose.



Desconfortável sensação de subversão doméstica. Fui.




Thomas Dylan



Lembrando de uma amiga, classe média, e agora rica. Perguntei se ela tinha um cartão para orelhão, ela custou a entender o que eu estava dizendo. E depois respondeu, sem graça: "Parei na fichinha.".

:~



Peguei um táxi, as sacolas do supermercado formando sulcos no meu braço. Odeio táxi que fica reclamando das cortadas que leva e do modo de dirigir dos outros motoristas, e ultimamente tem sido assim. Nunca presto a mínima atenção no trânsito, estou sempre lendo ou enfurnada nos meus pensamentos estéreis, de forma que é difícil pra mim dar o mínimo retorno a esse tipo de conversa. É mesmo, que coisa, é verdade são as três coisas que costumo comentar, pra não deixar o motorista no vácuo. Comprei um cartão da telemar e quando vi a ilustração - Iemanjá - dei o meu primeiro sorriso do dia.


Vou desligar a tomad