-

Não quero falar mal da Maitê P., não é esse o ponto. Eu seria inclusive ingrata, pois quando ela integrava o Saia justa, em dia de tema livre, entre tantos assuntos no mundo, ela escolheu meu livro para ser discutido pelo grupo. Porém não posso deixar de comentar o perfil que Carlos Heitor Cony escreveu sobre ela, na revista Lola. 

Logo no primeiro parágrafo, Cony diz que poucos livros fizeram com que ele, ao terminá-lo, voltasse à primeira página e começasse a ler tudo de novo. Cita Náusea, de Sartre;  Quincas Borba, de Machado de Assis; e A Educação Sentimental, de Flaubert. E que, para sua enorme surpresa, aconteceu o mesmo com a biografia de Maitê. Retira algumas frases que o impressionou, como "Gosto do Rio, amo às vezes, mas não sou daqui, e não sou de canto algum.", e "Será que todos os doidos são mesmo doidos?", entre mais de uma dezena de outras. O artigo me fez chegar a uma conclusão: 

Como é bom ser bonita!



nelli palomaki










bilhete para o zé


tropecei
e o mundo inteiro se espatifou.






O governo federal decidiu não aumentar os pedágio da Ponte e da Dutra.



Lluis Barba






Tanto é o sangue que os rios desistem dos seus ritmos. Cecília Meireles






  
                 
Via Ibase







Caderno de sonhos Ia fazer o papel de Ofélia no teatro, mas só tinha ensaiado uma vez, na verdade um ensaio lido. A peça estréia sem que eu saiba uma única fala. A crítica diz algo como "A atriz principal afunda a peça". A diretora concorda "Isso mesmo que eu escreveria." Então percebo que é a Bárbara Heliodoro. Ela fala com o diretor geral, digamos assim, e ele consente que eu faça a peça lendo no papel.

Saudades de Freud.



(Sonho antigo, que li agora no meu Caderno de Sonhos Champix)









Irmãos Campana para Lacoste.






Alina and Jeff Bliumis
Language Barrier
2008
Resin, foam, fabric, acrylic, ink, steel, human hair
284½ x 213 cm
Clique na foto para aumentá-la.







Evito falar de transtorno bipolar porque virou piada, a maioria ótima, nas redes sociais, e banalidade nos bares onde todo mundo, depois de três copos de chope, se diz tripolar. Em resumo, bipolar virou uma gíria, ou mesmo tendo sido uma doença que saiu das enciclopédias médicas, tornando-se conhecida, é vista de uma maneira quase sempre equivocada. Dizem: todo mundo é bipolar. Presume-se então que a bipolaridade é às vezes estar feliz, e outras vezes triste. Essa percepção é incorreta.

Dito isso (ver diálogo de Larry David e Jerry Seinfeld em Curb, enquanto observam o livro panfleto de Jason Alexander), é desagradável ouvir a definição do médico de que o hipomaníaco tem 5 ideias hoje, 5 amanhã, e 5 na segunda-feira. Mas não realiza nenhuma. Deve ser porque não tem foco.

(Desde que começou a ser usada, na primeira vez que ouvi, me antipatizei na hora com esse verbo. Focar pra mim é lance de máquina fotográfica etc. Mas às vezes a gente é voto vencido)

A verdade é que estou aparando as arestas do diário - porque acredito que ainda está vivo; escrevendo um novo livro; aprendendo a fazer roteiro, e rabiscando um livro infantil. Ou seja, não faço coisa por vez. Porque sou do tipo que só consegue trabalhar sob pressão. Se preciso entregar um texto ou um livro, com prazo, não faço outra coisa, de tarde, de noite, de madrugada. É exaustivo, mas é o que eu gosto. Sem cobradores as coisas se afrouxam. 

(No outro dia fiz um frila, estava tendo dificuldades de terminá-lo, pedi pra editora me dar um prazo, quanto menos tempo, melhor. Fiz rapidamente.)


Nariz de cera enorme pra dizer que comecei a ler um livro que ensina a fazer roteiros, mas me antipatizei na primeira linha. O autor fala de estórias, quando há décadas não existe mais a palavra estória. Mesmo quando é fictícia se escreve com agá. Não deixei o livro de lado, ao contrário de outro de uma jovem escritora onde no primeiro parágrafo a protagonista se queixa: "Estou com cefaleia". Não dá.


Tenho que dar crédito ao roteirista, F. de Campos, porque tem algumas historinhas que gostaria de repassar, algumas já conhecia, como a do Hitchcock. Então sempre que contar algumas farei um *do livro de F. de Campos.

Então é isso. Preciso escolher uma das tarefas e me concentrar. É o que eu estou tentando fazer. Vamos ver.



 30.7.13           





                       
Quase normal é quase boa. A Vanessa Gerbelli me surpreendeu. Sentei na primeira fila e me apaixonei por ela. É um musical bacana e bem feito. O problema é que o autor misturou duas dores muito profundas. A doença da personagem (psicose maníaco depressivo) se esvazia diante da dor da perda de um filho. Então acho que a sinopse deveria ser a história de uma mulher psicótica maníaco depressiva [ela tem alucinações], que perdeu um filho. E não a história de uma mãe bipolar, como está na sinopse. (março, 2013)





                                                2013, segundo tempo ©











Resumo dos dias Franja roxa do Max; o menino lindo que fila cigarros, e depois torce a cara. Na loja de cafés abraço o ator, ♥, e Godard passa bem longe de mim. Cecília assiste musicais, e delicadamente traz água mineral com canudo de guarda-chuvinha. Na semana passada bebi vinho tinto para escapar do frio e meus olhos doeram de sono. Daniel não lembra do rapaz, mesmo depois que cochicharmos tanto. As mesas de sinuca lotadas; a praia do Leme iluminada pelas luzes do poste. Li uma temporada no inferno numa tacada; computador que não obedece; tomei chá de baunilha e jasmim. (Minha mãe ensinava: não se ferve a água do chá.) Tentando desaprender coisas para dar espaço para outras novas. Meu irmão tão distante - por dentro, não paro de chorar. Espigas de milho no almoço; pão de azeitona e tomilho no jantar, novela das oito na internet. Arrumo toda a bagunça, na esperança de achar a identidade. Curb Your Enthusiasm. Faço listas de compromissos, mas não lembro de ler. Fotografo árvores; escrevo sobre a diarista que me manda torpedos religiosos. Deixo Don Draper para a madrugada. O livro enganchou. Fui ouvir a gravação da entrevista para digitar, e de repente entrou a voz do médico falando sobre o quadro clínico do meu irmão. Pediu que tivéssemos fé. Tivemos e não adiantou. Peregrinos em bando no Aterro. Esqueci o nome do rapaz que sabe tudo. Pago juros por descuido, e lamento. Tomara que Ledusha se mude para o Rio. Os dias passaram correndo eliminando toda a minha juventude.





                            







O dia da caça

O olho do caolho colhe
a paisagem molhada.
A chuva cai e os
coelhos correm
enquanto escorre a água.
Se ele fosse caçador
teria mais fome ainda
seus olhos tendem
levemente para a esquerda.
Não teria pontaria.
Não seria capaz de fazer mira.
Sobre o chão seco
embaixo do abeto,
o olho do caolho sente
o pelo molhado dos coelhos
que se encolhem com frio.

(Aclyse de Mattos)







El Lissitzky, 1922









Inverno

Narizes apontavam para o frio
E a moça de vestido vermelho
entrou na loja
de chocolates.

(Aclyse de Mattos)






























Ouça --------------------> Alexandre Nero cantando♥ (via vanessa rodrigues)

Depois de ouvir sem parar, só posso dizer que ele transformou uma música chatíssima, sertaneja, numa música linda. Fora isso: o clipe é o que há, e ele, vamos combinar, um gostoso.











Estudantes colombianos











Sarney no hospital. Vamos todos rezar para ele ficar bom. ‪Só que não.





29.7.13

Larry David, te amo 












Um amigo de Helena, cultíssimo, estava com um casal de portugueses num restaurante em Portugal, os dois não diziam nada, ele já não sabia mais o que falar, já tinha puxado papo sobre arte, literatura, arquitetura, e nada. O casal calado. Então ele disse:

- Os portugueses parecem tristes.
O homem concordou, e a mulher arrematou:
- Somos tristíssimos.


Adoro.




28.7.13





Cafeteria no Jardim Botânico, o parque.

Homem toma café no balcão. Chego perto dele.

- Olha você me desculpa, por favor. É que eu adoro você. E vou dizer a coisa mais brega que alguém pode dizer: Posso tirar uma foto sua para o meu Facebook?

(Não me julguem, eu já sei)

- Claro! Se isso fosse brega quanta gente seria brega!
- É que não quero entrar na lista.
Ele sorri.

Espero na varanda. Quando ele sai, diz que de jeito nenhum tira a foto sozinho. Digo que gostaria de tirar uma foto só dele. Por favor. Nem pensar, ele diz, enquanto a garçonete pega minha máquina. Ele abaixa meio metro e me abraça. Eu fico na ponta dos pés. A moça aperta o botão. Verificamos que a bateria acabou.

Mateus Solano.

: \

Salguei a santa ceia?






                                                                                                                                       (ilustração Humor inteligente)

Ouçam todos os lados. Boa tarde. Fui.






via not a exit tumblr

27.7.13

via




Até hoje à noite eu não tinha visto o Papa, nem os peregrinos. Na televisão, sites de notícias, ou nos jornais que estão empilhados na mesa da sala. Soube que ele preferiu o Fiat idea de janela à manivela, deixou o vidro abaixado, abriu mão da blindagem no papa móvel, e recusou luxos. Gostei porque escolheu o nome Francisco, e até agora está fazendo por onde. No Facebook, falam mal dele e dos peregrinos. Acredito que eles têm o direito de ir às ruas da mesma maneira que os manifestantes.

Hoje na casa da Luciana vi o Papa em Copacabana, pela GloboNews. Fiquei chocada com o mau gosto do cenário e me perguntando quanto custou tudo aquilo. Flores horrorosas que pareciam coroas de velório, aquele abrigo de ponto de ônibus, e a performance com bailarinos que lembravam demais os do Criança Esperança. Sem contar o Luan Santana. Pensei como seria o Caetano cantando aquela oração. Achei o espetáculo de uma cafonice esplêndida.

No táxi, quando estava indo pra exposição do Hélio Branco, vi os peregrinos indo para Copacabana. Era muita gente. Achei válido, legal, bacana. Os peregrinos não me representam - mas e daí? Acho o patrulhamento feito às pessoas que vieram de todos os cantos do Brasil, e até de outros países, extremamente ca-re-ta.


Não posso deixar de citar, no entanto, o posicionamento do presidente Mujica, do Uruguai, que não foi à cerimônia de entronização do novo Papa por não ser católico, ao contrário do seu vice, Danilo Astori. "Mujica considerou que seria mais oportuno que ele fosse. Isso é algo particular e tem a ver com a fé de cada um”, explicou a primeira dama Lucia Topolansky. “ O Uruguai é um país absolutamente laico, com a igreja separada do estado desde o início do século, ao contrário da enorme maioria dos demais países da América Latina." 

O máximo dos máximos.

Um Estado laico: tudo que mais queremos.






via


Suco verde de hoje: acelga, aipo, agrião, batata doce, batata yacon,  bargana, bertalha, capim-limão, cenoura, chuchu, couve, chicória, funcho, gergelim, grão de bico, girassol,  hortelã, inhame, kinua, linhaça,  lentilha, maçã, menta, painço, poejo, pepino, salsa.

(não contem água, açúcar, adoçantes, conservantes ou qualquer ingrediente artificial.)

Estou muito feliz com esse lance.











Sábado  suco verde ---- aborrecimentos com o Santander ---  jejum ---- exposição A luz que nos protege ------ vinho branco --- vinho tinto ---- comida japonesa --- enjoo --- funny girl




27.7.13















Inteligência pura Era 2009, eu estava indo à locadora quando um cara, do outro lado da calçada, começou a fazer sinais me chamando. A rua estava quase deserta e o homem atravessou ziguezagueando entre os poucos carros que passavam. Veio me abraçar. 

- Não lembra de mim?

Seu rosto era bastante familiar. Trabalhei com ele? Foi meu vizinho? Amigo de um amigo? Eu deveria ter dito Você me desculpe, mas infelizmente tenho péssima memória para rostos blablablá. Mas não. Fiquei sem graça. Ele  parecia eufórico, quanto tempo, saudade, o que você anda fazendo. Eu sem graça. Daí ele disse que ia me dar carona até em casa. 

Falei que não era preciso, minha rua era ali do lado, obrigada. Mas ele insistiu. Comecei a achar que ele era amigo de trabalho. Vamos comigo pegar o carro no estacionamento do shopping? Eu disse que sim. Fiz perguntas do tipo Como vão indo as coisas, a fim de colher pistas, mas ele dizia, muito trabalho, muito trabalho. Seu rosto muito familiar, era óbvio que eu o conhecia - mas de onde? Entrei no carro e ele me levou até em casa. Estacionou um pouco depois da vila, e desligou o motor.  

Então veio com papo estranho. Quis me dar um beijo, eu disse que ele não era meu namorado para me beijar (#13 anos). "Mas precisa ser namorado pra beijar? Então vamos namorar.". Falei: "Desculpe. Não lembro de onde você me conhece". Ele, calmamente: "Não te conhecia, estou te conhecendo agora". Fiquei pasma. Me deu um cartão, pediu pra eu não deixar de ligar, coisa que evidentemente eu nunca faria. Um verdadeiro estranho.

Depois minha filha diria: "Como vc entra no carro de um cara que você nem conhece?!" Inversão de papéis. Mas eu conhecia aquele rosto! Vamos ver na internet, ela disse. Colocamos no Google o nome que estava escrito no cartão. Apareceram algumas fotos. Juntei o nome ao rosto. Daí me veio um estalo: era o marido de uma amiga. 



(* Nem preciso dizer que ele não lembrava de mim, claro, nos vimos rapidamente e poucas vezes)


Dias depois contei para o Fred e ele disse "Mas você não conhece o golpe do te conheço? 

Oi?

Homens.








Fred, seu lindo.













25.7.13










George + Alexander + Louis= Seinfeld!

















Curitiba, meu amor




REPASSEM! A prefeitura de Curitiba montou um CANIL para que os moradores de rua possam abrigar seus animais de estimação num dos invernos mais severos registrado. O abrigo fica no Centro de Esporte e Lazer Plínio Tourinho, no Jardim Botânico. O local é provisório e funcionará até o final do inverno. A intenção é quebrar a resistência de moradores que se negam a dormir em albergues para não abandonarem seus cachorros. No local, os animais também ganham cobertores que não são mais usados por pessoas e recebem ração. Se você conhece ou ver algum cidadão em situação de vulnerabilidade social que deseja ir para um centro de resgate e levar o seu animal de estimação, ligue para o 156! (via Mario Deluca)

E também em Curitiba, pessoas penduram em árvores casacos para quem precisa. (Via Libélula Brechó.)








Relatório Escrevi 17 páginas do livro e não pretendo escrever mais por hoje - costumo usar a madrugada pra fazer isso. Organizei a pia da cozinha, mas não lavei a pouca louça. O quarto um caos. O resto foi Facebook na veia e Curb. Culpo o frio.

:S









Istambul Foto: OccupyGeziPics


Ainda estamos em julho, mas o Globo Repórter já pode fazer uma retrospectiva. Metade do que aconteceu este ano não lembro. De tantas coisas. Maravilhosas, péssimas, fúteis, surpreendentes. Fora de ordem: Bento XVI renunciou; o novo Papa é argentino; milhares de brasileiros foram protestar nas ruas; idem Istambul; os NINJA; Edward Snowden, ex agente da CIA, denunciou esquema de espionagem do governo norte americano em redes de comunicação do mundo inteiro; o tal Feliciano diz que Caetano Veloso tem pacto com o diabo;  Harrison Ford pegou jacaré em Ipanema; Angelina Jolie faz dupla mastectomia; Bradley Cooper caminhando em Ipanema; Uruguai aprova casamento gay (Mujica fofo); real baby; Inglaterra aprova casamento gay; Paris Jackson tenta o suicídio; Papa vem ao Rio; Daniela Mercury se casa com sua empresária; Eike Batista agora é apenas milionário.









 Av. Princesa Isabel em negociação entre manifestantes e Choque. 
#‎eagoracabral‬?
Foto: Midia NINJA





Cabral diz que não sabia de policiais infiltrados em manifestações.





Richard Lewis: te amo.







Xerife de Xerife #frio






24.7.13


Caderno de Leonardo da Vinci. Daqui, Via Tralalá





23.7.13










( foto: Revolvver)





Dia quente de verão

Folhas imóveis no bosque

quase pintura
           não fosse
           essa ave cantando




Aclyse de Mattos







Tuíter


@charliesheen


@tiodino
Sobre o Papa Francisco: nunca vi um cara confiar tanto assim no chefe.






23.7.13



ownnnnnnnn via












SEM QUERER EXCLUÍ JULHO. VOU REPRODUZIR PORTANTO SÓ O QUE COLOQUEI NO FACEBOOK, E UM OU OUTRO POST QUE EU LEMBRAR.  MUITOS FORA DA ORDEM. UMA LOUCURA. TIPO, COISAS MAIS RECENTES ESTÃO LÁ EMBAIXO. TAMBÉM PERDI ALGUNS CRÉDITOS, SINTO MUITO. TENHO UM TRILHÃO DE COISAS PRA FAZER, MAS SOU COMPULSIVA. VOU DEIXAR PRA FAZER DE MADRUGADA.




Xerife, a origem







Motorista de táxi, 4 horas da manhã, quando eu estava quase chegando em casa.

- Fiquei 10 anos preso.
Não senti medo, mas fiquei surpresa.
- Sério?
- Casamento.


Ahaha : )




La Sagrada Familia - Gaudi








Resolvi voltar a ver a novela, pela internet. Porque assim posso editar. Chororô. Pulo tantas parte que a novela vira quinze minutos. Vejo para poupar Curb. Economizar. Pulo: Daniella W.; Malvino Salvador e sua família inteira; Paola de Oliveira, Elizabeth Savala; Gigi; a marina Barbozzzzzz, a parte mais chata; aquele canastrão que quer subir na vida no hospital só vejo porque ele sempre está com o Félix. Vejo: Mateus Solano (tem gente que acha que ele está repetitivo. Mas não me canso jamais desse ator); núcleo Pilar; o casal de gays; Tatá Werneck (amo demais); Luiz Mello, porque é uma ator brilhante;
Já reparou que o hospital tem mais pegação do que cirurgia? Vejo o casal Caio Castro e não sei o nome pra ver onde aquilo vai dar, mesma coisa secretária e Antonio Fagundes - de quem tomei um bode tremendo.

(Reprodução - esqueci o resto do post)





Entreouvido

"Vou assistir o segundo tempo na casa do meu tio. Blz? Então já é".

Cariocas. Adoro.




via Revolvver






Nossa Senhora do Divertimento olhou pra mim e disse OK. Com Ledusha e Rafael nas areias do Leme. (O homem que não desaponta). Loção que a Nina trouxe de Praga. Croquete para cachorrinho de rua. Pizza delícia, vinho tinto. Sábado cachaças de mel no Pirata, e depois Sinuca da Bambina. Aprendi que pode beber vinho antes e cerveja depois, mas não pode beber o vinho antes.Ou será o contrário? E também que beterraba e cenoura juntas viram açúcar. M. com botas do Bope. Juan, lutador de MMA, está na Aeronáutica. Disse que não se importou de comer arroz do chão porque passam fome antes. A chefe de cozinha mente sem necessidade. Na volta o motorista de táxi contou que tudo que fazia antes não faz mais, e tudo que faz agora não fazia antes: The opposit. Paulistas inconvenientes. O cara ao nosso lado estava de bermuda e skate no colo. Era de uma beleza incrível: mistura de Criolo e Michael Fassebender. O certo seria dizer espetacular.
Estou escrevendo o livro com vigor e

(ia dizer complacência, mas não cabe. Vou guardá-la. Gosto quando penso em uma palavra, vou no Aurélio, e arranjo uma brecha na definição. Não foi o caso.)


Estou escrevendo o livro com rigor e afinco.







                            













Yayoi Kusama, Mirror Room (Pumpkin) (1991) via






Tarde deliciosa com Helena (saudade!). Louis Vuitton para ela experimentar sapatos, e joalherias. Não sabia que pode formar areia dentro do cristal (não sei muita coisa). Se tivesse dinheiro compraria um anel de cobra, embora sinta uma certa repulsa. Me apresentaram ao dono da L'Oreal. Franzino, simpático, de terno e pashmina. Gosto de entrar e sair de mundos que não são meus: o homem abrindo a porta de loja de luxo, e jogar sinuca na Rocinha. Helena experimentando brincos de esmeraldas (me enjoa, acho bonito rubi). Depois, vinho na Travessa com Gustavo para tratar de negócios. Motorista que manda beijo no final.





LA PASTASCIUTTA

- Você podia trazer mais pãozinho?
garçom: Show!
(depois)
- Eu queria uma Coca zero...
- Show!
(depois)
- Tem curto?
- Show!

Adoro





Desenho de John Lennon, quando tinha 11 anos.



Facebook da Rita Lee
Brasília, 09/09/2011
foto Roberto de Carvalho




20.7.13


Contexto político do rio de janeiro dos últimos 2 dias:

1- ruan, o garoto que levou uma cinzeirada no casamento da dona baratinha é preso, por acaso, acusado de portar maconha.

2- o humorista rafuko, um dos maiores críticos do governo de cabral e paes na internet, é preso sob acusação forjada de portar pedras portuguesas.

3- o professor de sociologia paulo baía é sequestrado e ameaçado por conta de suas críticas à pm. não se sabe por quem.

4- hoje o jovem claudevan alves é preso, por postar no facebook conteúdo que, segundo a polícia civil, incita a violência e vandalismo.

via Moana Van de Beuque






tomie ohtake





(sem data)






Conheci Paulo Athayde sem querer, numa matéria de revista, e me apaixonei. Em 2011, o artista plástico mineiro, descendente de negros, índios e europeus, foi convidado para participar da Art Basel Miami Beach, uma das mais conceituadas do mundo. Pois bem, ele resolveu ir a pé para os Estados Unidos. Demorou 7 meses. Antes deu uma passada na América Latina. Quando chegou em Nova York colocou os pés no rio Hudson a fim de deixar a terra que acumulou durante a viagem nas águas nova-iorquinas. De lá foi para Miami de avião. Sua exposição foi basicamente  de coisas que encontrou no caminho, como tampinha de garrafas e sabonetes de hotéis. 


O crítico e curador de arte Ricardo Sardenberg classifica o artista como membro de uma geração pós-arte popular. Além disso, "O trabalho de Paulo apresenta ironia". Paulo já trabalhou como pipoqueiro, jardineiro, empregado doméstico, padeiro, balconista e agente de saúde. Juntou dinheiro, fez vestibular para Belas Artes, e depois Linguística. Também fez exposições em Veneza e no Masp. (Não posso dar créditos porque retirei informações de vários sites, mas principalmente e basicamente da revista Cult)









Viva NINJA!
PÓS PAES

Com certo alívio, e muita indignação, encerramos nosso round com Eduardo Paes.
Não foi fácil. E isso não foi exatamente uma surpresa. Longe disso: fomos longamente prevenidos.

De um lado, um profissional da política, debates e entrevistas. Particularmente hábil e bem treinado na conveniente arte de tergiversar. 
Do outro, uma rede de jornalismo independente que está organicamente, em fluxo, buscando sua estrutura editorial.

Por isso, recebemos tranquilos as críticas - e as trolagens - que pipocaram na rede nas últimas horas. 
Mas não podemos receber de forma tranquila a postura demagógica e insensível do prefeito diante de temas tão inflamáveis para cariocas - e brasileiros, no fundo. 

Aqui, não queremos oferecer desculpas, mas contexto.

Depois do bloqueio à nossa equipe na coletiva de Sérgio Cabral, no começo da tarde chegou a nós a oferta de uma entrevista com o prefeito do Rio de Janeiro. Poucas horas antes de sua disponibilidade. 

Duas opções apenas: topar ou não.

Há muitas e cruciais diferenças entre cobrir a rua, a ação dos protestos e encarar um ensaboado governante, tête-à-tête, por mais de uma hora. Mas há uma semelhança que, para nós, determinou a decisão: sejam tropas de PMs violentos ou prefeitos de metrópoles chamando para o ringue, são desafios colocados diante de nós. 

Negar, nesse caso, não seria cautela ou sabedoria. Nem covardia, diga-se. Mas simplesmente fugir de uma certeza clara em nossa rede...

É no processo, na experiência, na transparência, no teste real, ao vivo e sem cortes, que estamos avançando. Construindo nossa base de público e equipe. E pensando, com os muitos erros e acertos, em como entregar um jornalismo cada vez mais próximo da enorme confiança e expectativa que tanta gente deposita na Mídia NINJA. 

Assim, independente do julgamento imediato que se faça sobre a entrevista, estamos no fundo felizes com o resultado. 

Não pelas respostas longas e enviezadas de Paes. Nem por nossa performance. Mas pelas perguntas importantes que estão já sendo levantadas depois de nossa difícil hora no gabinete do prefeito. 

Há muita discussão que precisa começar a partir dessa experiência de jornalismo de baixa resolução e alta fidelidade. E há, sobretudo, muitas frases, declarações e informações passadas por Eduardo Paes que merecem escrutínio e investigação. E é sobre elas que vamos nos debruçar nos próximos dias.

Estamos certos de uma coisa: essa entrevista está longe de acabar.

Em frente!

PS: Segunda feira, aliás, tem reunião aberta da Mídia Ninja no Rio. Quem quer conversar?









Os sapatos de Baryshnikov



Bergman




Após Nijinsky, Carlos Acosta. -----------------> Veja. Gênio.








Set


Spielberg








Sam Shepard. Me abana.











Enquanto isso em Paris...




foto via Paris des petits












Lucian Freud que tatuou Kate Moss.


“Contei que gostava de pássaros e ele me mostrou um desenho de uma galinha com a cabeça para baixo, mas expliquei que não poderia ter aquilo tatuado. Aí ele sugeriu ‘talvez nós devêssemos desenhar você’, mas eu falei que não queria ter uma garota tatuada no bumbum”, lembrou Kate. Os dois chegaram a uma conclusão e decidiram fazer duas andorinhas. Kate Moss em entrevista à Vanity Fair, via







13.7.13

dia internacional do rock, sendo que só existe no Brasil.








11.7.13


Dia do amigo








19.7.13




Tuíter
@MiaFarrow mia farrow 19 Jul
Today was our wedding anniversary.  How gorgeous was he ?!!









Set



A mosca

A feiticeira

                                     
                                                                                  Garota 6

               

                                                                    Encontros e desencontros
                                     
                                     
                                                                         
                                                                         Pierrot, le fou




                                    CHICO ALENCAR PARA GOVERNADOR.














James Turrel


(sem crédito)







"A mim o senhor não exige na-da".


(Para ver um político acuado vá ao ponto 3:50 entrevista)




Polícia Militar joga spray de pimenta na cara do representante da ANISTIA INTERNACIONAL. Via Manifestações Brasil 24h




Sobre a entrevista dos NINJA com Eduardo Paes

Se esperava mais. Acontece que eles não têm experiência. Eles estavam nos representando. Não souberam apertar o político. Acho que funcionaria melhor se fosse um bate bola, mas o que aconteceu foi que o Eduardo Paes estava com discurso pronto, pode se estender na resposta e, óbvio, fugir do foco. 

Nunca vi na vida um político ficar TÃO nervoso, valeu por isso. Mas os entrevistadores eram pureza e ficou desigual. 

O Eduardo Paes, obviamente, ficou sendo aquele legal que recebe os manifestantes. Coisa que ele não é.

Quero mandar abraços e parabéns pra eles. Foi uma primeira.
entrevista. Outras virão. E serão melhores.






Facebook
Marina Dabliú compartilhou o status de Michel Melamed.
Procura-se irmãos gêmeos: um da tropa de choque, o outro black bloc.




Larry David me representa.












18.7.13

Vou dizer uma coisa. Só a internet é capaz de alterar a ordem das coisas.








O Chico Alencar é um político muito respeitado aqui no Rio, muito bem votado e ... honesto. Professor. Vamos fazer uma campanha pra ele ser candidato da oposição em vez do MOLEQUE Lindberhg Farias. Vamos fazer ele ganhar por aqui e nas ruas. Chico Alencar governador é a única maneira de MUDAR. Pensem.







Quer fazer revolução sem quebrar um vidro? (Helena)











Lembra do Leblon?




17.7.13





O novo filme do Woody Allen. Obrigada, Deus.




via Higher Perspective.




16.7.13





Do Facebook de Rita Lee







(sem data)



Desenho de Sylvia Plath















Descreva aperto no coração:






Dustin Hoffman  e a arte de ser fofo.