Garnier Opera, Paris. Photography by David Leventi. Ohcalifornia tumblr
















Gostei de todas as receitas, gosto de comida natureba quando ela é gostosa, e não troco por nenhuma outra. Já comi de pensão uma temporada a comida do Mozart, surfista e Hare Krishna: melhor de todas. 
















Assistindo Cozinha Bela enquanto como pringles.








Tá na cara que a Carolina D. não gostou dos doces sem açúcar que Bela preparou, para substituir o brigadeiro de panela. Ainda por cima odeia goiaba, ingrediente de um dos pratos. A atriz elogiou as bordinhas da torta.





Me dá um pouco de alento saber que, pelo menos, uso óleo de coco. Aqui em casa não uso açúcar branco, mas na rua como muitas coisas feitas com ele. O alimento do câncer é o açúcar. Não uso mais óleo de girassol etc. Frito muito raramente. Ovos caipira (aspas com as mãos). Farinha só  uso branca, a massa também é branca. Não é bom. A farinha branca é só caloria e nada mais. Molho de tomate compro um, esqueci a marca, custa 3 e pouco, que vem escrito no rótulo: ingredientes alho, cebola e tomate. Sem conservantes. Ou a gente acredita ou não acredita. Falta rigor na verificação das coisas que compramos nos supermercado. Sempre cito o caso do Pinho Sol, veja bem, o Pinho Sol, que sempre fez parte da nossa vida, não mata os germes, segundo verificação do Inmetro. Mata ZERO os vermes. Vi no Fantástico há anos. E o produto nunca saiu de circulação.





Estou muito apaixonada pela cozinha da Bela, mas dá aquela pontinha de frustração saber o tanto de coisas nocivas que comemos diariamente. Acabo de ver dois episódios. Acelera a vontade de mudar radicalmente de alimentação. Pretendo experimentar o falso molho de tomate e a manteiga Ghi, tão fácil de fazer. Talvez eu também me atreva a preparar o pão. 

Sábado de festa e alegria.
















metrô na Rússia









Tatum








Pão preto de passas e nozes do Talho Capixaba. E agora, ateus?





28.3.14















Já passei por lances que achava que só existiam no cinema. Quem nunca? Tinha tido uma briga com meu namorado, saí de casa levando uma mala, fui encontrar um administrador de imóvel que precisava me colocar a par de burocracias. Sentamos no saguão e ele falava falava falava e eu estava tão distante dali, não ouvia uma palavra, ele desfocado, close em mim de perfil e rosto preocupado, então ele perguntou: "A senhora concorda?" Eu levei um susto, levantei  e respondi: "Sinto muito. Não tenho condições de estar aqui". Cena seguida por outra muito triste, e depois uma feliz, e outra terrível. Termina o filme, onde eu morro no final. Mas era apenas um filme, fotogramas da minha vida, e estou aqui agora. Viva.

















































(...) Eu quero ser chamada rosa e flor
Eu vou gerar um cacto sem espinho.
A.P.










































ww incapaz de matar uma mosca.










Então eu sublinhei fiz orelhinhas em várias páginas do livro de biografia sobre biógrafos, mas tantas, que me deu tremenda preguiça de reproduzir. O quanto a autora de Amarga Fama mentiu a respeito da biografada e foi manipulada, pressionada e ameaçada pela irmã de Ted Hughes. E as palavras, frases, parágrafos cortados por ele. Na biografia, os ciúmes de Sylvia parecem infundados e criados por uma mente doente. "O problema é que Ted é  um homem muitíssimo atraente - disse Alvarez, editor de Sylvia Plath. "Tive uma namorada australiana que conheceu Ted e ela me disse que quando pôs os olhos nele pela primeira vez ficou com os joelhos bambos. 'Ele parece Jack Palance em Shane', disse ela. E conheci outra mulher, uma psicanalista, que teve uma reação tão forte ao conhecer Ted - coisa que ela me contou muitos anos depois - que foi até o banheiro e vomitou. Ted percorreu renques de mulheres, como alguém que colhe trigo. Sylvia devia saber disso."









27.3.14















Anteontem Saí umas sete da noite, desci, na portaria notei que estava chuviscando, preguiça de subir para pegar guarda-chuva, deixei pra lá, cheguei no ponto debaixo do maior temporal. A preguiça tem uma aura simpática, mas ela não é. Preguiça boa é aquela de "levantar pra pegar uma Coca". Só. No ponto, quatro mulheres estavam com guarda-chuvas enormes, "de época" - como diz a Clarinha, mas nenhuma delas foi capaz de perguntar se eu queria uma carona. Pingos grossos estalavam na minha testa e minha roupa estava grudada no corpo. Não sou boazinha, mas sempre quando tem alguém perto de mim numa situação assim eu ofereço um pedaço do guarda-chuva. É o mínimo que uma pessoa desconhecida pode fazer por outra. É uma pequeníssima gentileza.




Delicadeza, artigo que sumiu das prateleiras.





26.3.14



Uau! A gente não conhece os lugares mais incríveis da Terra.
(link: Kastello)





























(via Cecily)



25.3.14



girafa não amada



girafa amada











Desculpem-me.


















:)

























24.3.14 + madrugada

















Domingo, se Deus me ajudar, vou fazer maratona Breaking B.  Fico vidrada e não consigo parar, e agora sou uma mulher que acorda cedo. Quanto aos doces, açúcares, estou tentando um just a day. Minha mãe dizia que quem trabalha com a cabeça precisa comer doces. Não sei se era uma desculpa, ou é uma verdade. Estou comendo uma maçã agora. É fogo.














(link via Juliana Maria da Silva)


Aliás e a propósito, assim como o Roberto Carlos não come Freeboi Friboi*, a Fernanda T. não come frango Sadia. Não é saudável, nem direto da granja. Quem acredita nisso, acredita em qualquer coisa. Opinião isenta de julgamento. Eu também faria um comercial da Sadia, fácil. Gostaria de dizer o contrário, mas estaria sendo hipócrita. 


*total ato falho.











 Skyler, sua chata.














Sou dessas.











Quando digo que não costumo ir à igrejas não significa que não gosto delas. Gosto principalmente quando estão vazias, não são modernas, e têm uma aura que me agrade e acolha. Também gosto de hóstias.







Ontem fui à uma igreja, que por sinal não gosto porque o velário é eletrônico. Coloca-se o dinheiro no lugar indicado por uma seta, e as velinhas, de design pavoroso, acendem. Não costumo ir à igreja, e tampouco frequentar velários. Primeira vez que escrevo a palavra tampouco. 

Lembro de ter ido com minha filha a um velário fora do Brasil, foi tão lindo. A igreja antiga estava na penumbra, mergulhada no silêncio absoluto, e muitas velas acesas transformavam tudo a nossa volta em dourado. Nunca fui a nenhum outro. 

Pois bem. Precisava falar com um padre, não um padre específico, mas um qualquer, para tratar de assunto particular. Cheguei quarenta minutos antes da missa das seis e fiquei aguardando sua chegada sentada num banco de pedra, ao lado de uma beata. "Trouxe biscoitos pra ele" - contou. Sou capaz de sacrifícios para transformar o que vivo em palavras. Ia assistir sua segunda missa do dia. Era horrivelmente mesquinha, seu lábio carnudo e cor-de-rosa parecia despencar sobre o queixo. Falava mal de todos, até mesmo de um dos padres, a quem se referia como "o chefão". 

Ela estava ouvindo futebol num radinho de pilha. "Odeio futebol, não sei nem onde fica o goleiro. Mas não tenho nada para ouvir". Era um jogo do Volta Redonda e ela acompanhava o resultado com curiosidade. Um casal entrou na igreja. "Ele fala o tempo todo usando um celular imaginário, e a mãe é branca como essa parede aqui" - disse, virando pra trás e apontando. 

Um homem se aproximou para lhe dar um alô. Usava uma calça verde camuflada, que era a coisa que menos se parecia com ele. A camiseta azul marinho anunciava a Copa e, por cima dela havia um um colete marrom. Nos pés, sapatos sociais. Os óculos pretos eram hipsters, embora ele não soubesse. Era tudo tão descombinado que fui tomada por uma ternura imensa. 

"E a doente?" - perguntou a beata com cara de desdém. Ele pareceu desconfortável, e disse que ela estava melhor e tinha " a sorte de ter um par que é muito companheiro". Um par. "Preciso ir rezar" - disse, tentando se libertar das palavras venenosas da velha - "São tantos os pecados que cometemos..." E se foi, carregando humildemente seu livrinho de orações.






















Cada dia mais apaixonada por Wal. Vendo agora o primeiro episódio onde ele aparece de cavanhaque ruivo e pulover rosa choque. Oh, my God!






22.3.14
monotemática.



























“Prezado senhor Cranston,

Acabei de terminar uma maratona de ‘Breaking Bad’. (…) Um total de duas semanas de puro vício. Nunca assisti nada como isso. Brilhante!
Sua performance como Walter White é a melhor atuação que eu já vi – na vida. (…)
O que começou como uma comédia de humor negro se transformou em um labirinto de sangue, destruição e inferno. Foi como uma grandiosa tragédia Jacobina, Shakespeariana ou Grega. (…)
Muito obrigado. Esse tipo de trabalho/arte é raro e quando, vez ou outra, ele acontece, como nesse trabalho épico, ele restaura a confiança.
Você e todo o elenco são os melhores atores que já vi. (…) É quase meia-noite aqui em Malibu e eu me sinto obrigado a escrever esse e-mail.
Você é verdadeiramente um ótimo, ótimo ator.
Meus cumprimentos,
Anthony Hopkins.”

(Via Papel Pop)



Publiquei no ano passado, mas ainda não acompanhava a série. Então a carta é como se fosse inédita pra mim. 





E uma coisa leva a outra.











Francisco no computador.

Eu: A internet distancia muito a família, né?
F: Quem é você?

Ahahahahaha.
:D











Bruno Torturra/FB/Mídia NINJA

Vazei da Marcha. 
A bateria estava acabando, mas não tão rápido quanto meu humor.

Vim, vi e sofri o suficiente. 
O que me tranquiliza, além do baixo quórum, é a completa falta de apoio institucional dessa turma. Nenhum político, nenhum movimento ou pensamento minimamente articulado. 

Era só o desfile da burrice ressentida e raivosa. A versão analógica da caixa de comentários do UOL. 

Não consigo nem desejar nada de muito ruim a eles... Já é desgraça suficiente ser quem são. 











Agora é oficial: o mundo acabou em 2012.











Betty Prado, linda aos #50




21.3.14








Dos diversos instrumentos utilizados pelo homem, o mais espetacular é sem dúvida, o livro. Os demais são extensões de seu corpo. O microscópio, o telescópio são extensões de sua visão; o telefone é a extensão de sua voz; em seguida, temos o arado a espada, extensões de seu braço. O livro, porém, é outra coisa.

Jorge Luis Borges

Via Carloz Torres





































Das coisas que aprendi na vida: uma noite sem dormir, dia seguinte inutilizado.










Laerte, Meu Amor.


























Twitter


Russell Crowe ‏@russellcrowe  2h
Hey @garydbales stuck in Rio traffic on the blower in moments








Russell Crowe ‏@russellcrowe  2h
Bike ride in Rio.16.5 km of chaos. Jumped in car to go to Christ the Redeemer, absolute bun fight.Ran out of time







Russell Crowe ‏@russellcrowe  2h
Amazing place














Facebook

A pessoa vem aqui todo dia e acostuma, fica sendo parte da rotina e acaba se tornando um vício.

Mas outra rede social tem que ser criada rapidamente porque o FB é escr*to demais. 

Quando F. ia atingir uma meta excelente de cliques nos seus vídeos, o FB resolver impedir a visualização de MUITOS dos seguidores da página dele. 

Só volta ao normal pagando. É uma rede nojenta, o Zuckerberg é nojento. 

Se me tirarem daqui porque eu xinguei esse cara, fd-se. 












20.3.14





Depois de um dia de intensas emoções, e uma semana em que acordei diariamente às oito da manhã , acabo assistindo quatro episódios de Breaking bad até duas da madrugada, mas é violentíssimo e, tão perto de mim, a violência real nos morros pacificados que estão sendo invadidos, a imagem do fogo se alastrando no M do Alemão; o traficante pirado de dentes prateados com a arma apontada para Walter White. Eu, uma tensão que se corta à faca de tão sólida. Enfim, precisei ver Friends para baixar a bola. 

L. disse que ela e Nelson só conseguiam assistir dois episódios por dia e, mesmo assim, tinha pesadelos. Não é pra menos.






Mãe e mulher portuguesa: It's me.














taq             u            i      c       a       rd        i a



















Casa comigo?  Cecily achou que fosse Tim Whatley, the dentist. Realmente parece um ruivo qualquer. Só que não:











A hora e a vez dos ruivos.



celular






Tiroteio pesado no Morro do Alemão.
Eu tenho medo de morar aqui. Pronto, falei.






Espelhos  Consultório dentista:  limpíssimo.







Terminei o livro Felicidade é fácil de manhã. Não me lembro de um dia sequer na vida ter lido um livro ao acordar. Comecei a escrever às oito e não parei. Overdose de internet. Pilha de livros para consulta. Dicionário que deixa a desejar. O homem da cadeira de balanço deu bolo. Liguei pra Ele: "Esqueci".  F. quer filé sangrento. Felicidade é desligar tudo às dez, e livro de papel.












Porque é Amor.






Foto via Laura Andréa Freitas.


























Cada vez que sou obrigada a ligar para a Net sinto minhas células envelhecendo e sou tomada por tamanha ira que fico surpresa por caber dentro de mim.  


1. F. (????????) recebeu um torpedo da Net. O mês de março não foi pago.
2. Pode pular esse post, eu compreendo.
3. Ligo para o Bradesco Fone Fácil para reclamar.
4. O Bradesco diz que a Net precisa mandar um boleto da cobrança mensalmente para que o pagamento seja efetuado. E que o pagamento de fevereiro também se encontra em aberto.
5. Ligo para a Net. Explico tudo.
6. A atendente, sem me dizer nada, me manda para outra pessoa.
7. Espumando de raiva, explico tudo de novo. 
8. A ligação "cai". Me lembro do vídeo meu filho.
9. Ligo outra vez, o robô, por quem eu até nutria certa simpatia, diz que devo pagar o mais rápido possível. E que os juros virão na conta de abril.
10. Explico tudo para uma outra atendente. Digo que de modo algum estou sendo ríspida por causa da Net, que não tem nada a ver com ela, mas estou representando TODAS as pessoas que tem Net, que é a pior empresa do planeta.
11. Não é que eu seja grossa, é que eu falo com muito ódio no coração.
12. Ela me diz que o problema é que não paguei o boleto.
13. Digo que há dez anos não pago o boleto porque é DÉBITO AUTOMÁTICO.
14. Ela diz que esse mês deixou de ser.
15. (Você ainda está aí??)
16. Algumas das minhas células cometem suicídio.
17. Pergunto porque deixou de ser débito automático.
18. Ela não sabe explicar.
19. Pergunto porque não me avisaram que trocaram para boleto bancário.
20. Ela não sabe explicar.
21. Sinto piedade porque precisa trabalhar nessa BOST* de empresa.
22. Ela diz que fevereiro foi pago.
23. Não sei se acredito na Net ou no Bradesco, já que não é a primeira vez que o banco não debita automaticamente da minha conta.
24. Sendo que no outro dia o cara da Light veio aqui e cortou a luz.
25. Ela diz que se eu pagar hoje não cortam a internet.
26. Pegunto se vou ter que pagar juros em abril "sem ter culpa".
27. Ela diz que quando chegar o boleto com a multa devo ligar pra lá outra vez.
28.

































































Salve São José: querido.





















Todo dia lutar para saber ser eu.











Essa foto de Minas Gerais, publicada por Edney Silvestre no Facebook, é muito repousante e me dá saudade das paisagens grandiosas e silenciosas da minha infância. 








Dez mil árvores centenárias foram derrubadas em Cuiabá. #obras #Copa  #ignorancia #atraso #vergonha #tristeza








Jaco Califórnia azul ----“California Azul” é uma jaqueta da marca California Racing de cor azul que nos anos 1990 na periferia era sonho de consumo de 10/10 garotos da periferia


Muito bom. A música do Criolo decodificada. Obrigada, André.


Clique no texto amarelo e uma janelinha "traduz" as gírias.




18.3.14



A praia mais linda do mundo. Sorry.