Pastas

 (Califórnia dando beijinho no ombro pro Brasil)


Calcinha com estampa James Franco.
(Gente boa - Segundo Caderno /  O Globo)

----------

Matéria de André Miranda, 
Segundo Caderno, O Globo, dia 23.
Assunto: biografia de Marlon Brando.

Notas:
Brando criança usava gasolina para escrever palavrões no quadro negro da escola, e depois tacava fogo. Com sua vasta e confusa vida amorosa, é possível que o ator seja avô de Courtney Love. 
Brando era um tão difícil que, durante a temporada de Um bonde chamado desejo, um ator substituto chegou a socá-lo e quebrar seu nariz. Era Jack Palance.


------





- Quando chegamos para a primeira leitura do roteiro, já nos deparamos com uma maquete que retratava minuciosamente o universo criado por Wes - conta Fiennes. - E lá estavam nossos personagens, em miniatura, movendo-se pelas mãos dele, que fazia as vozes de cada um. É o processo mais inusitado que já vivi num filme. E faz todo o sentido. 

(Ralph Fiennes, sobre o filme O Grande Hotel Budapeste, de Wes Anderson. / Eduardo Graça / Segundo Caderno - O Globo)

*nota: baixar O fantástico sr. Raposo

--------

Como um entre milhões de leitores de Gabo, também tenho outra razão íntima e favorita para celebra-lhe a obra. (Enfatizo essa expressão, "celebrar a obra", porque acho mais sensata do que o clichê "lamentar a morte", aos 87 anos, de uma pessoa tão produtiva. Ora bolas, a natureza tem de seguir o seu curso...)

Arthur Dapieve, ever.
(25 de abril)

-------

Dabba wallahs

Muito legal, bilhetes reclamando do sal etc. Vontade de correr para o cinema. Adorei saber sobre essa história das marmitas. Que máximo.

--------



Caio e Ian Vaz Irmãos e surfistas remam nas águas gélidas do Rio Sena.  Quando decidiram se aventurar, não sabiam nada sobre ele, sua profundidade etc. 
(Gente Boa. Segundo Caderno / O Globo)




















Novela do Gilberto Braga com núcleo na Babilônia.




Agora é oficial: tudo é possível.




Aguardando loucamente. E ainda o casal Nathalia Timberg e Fernanda Montenegro. Que o autor (com sua dupla de arrasar, João Ximenez e Ricardo Linhares) venha com tudo, para esquecermos sua novela-boring Insensato coração.


















Olavo / filho do meu primo

por sua causa fiquei mais de 1 semana dormindo mal. Vi as 5 temporadas de breaking bad em menos de 10 dias. Não conseguia parar de ver.
Muito bom mesmo.
beijos
(Facebook)

o que se chama: levar alguém para o bom caminho.














Acho que pode ser dado como certo que as estações de metrô do Rio são as mais horrorosas e cafonas do mundo.














Barack Obama, alvo de ricina #BrBa











24.4.14


Bryan Cranston: o meu amor eterno, eterno.













Notícias de campanha Aécio Neves com a camiseta: "Moreno não, sou negro."














via helena costa








acordar tarde é para os fracos.
#sorry





































Se você, ao acordar, lembrar do que sonhou, basta repetir o sonho em voz alta que não vai esquecê-lo mais. É batata. O meu fechou. Sonhei com zebras pela segunda vez na vida (acho). Na primeira ela estava sendo servida numa bandeja, por um garçom no restaurante; e essa noite a zebrinha media um palmo, e seu filhotinho era menor ainda (claro).


--------------




(Ele me dava uma nota de duzentos reais. E não era falsa. Ou era?)












23.4.14











Lupita, eleita a mulher mais bonita do mundo.




















Polícia doente.






















Achei um pote de cents!












9h Acordei num sobressalto. Fogos ou tiroteio? Liguei para a portaria: "Hoje é dia de São Jorge!" - disse o porteiro, animado. Pensei que tivesse sido anteontem. Sonhei que o poeta C. tinha escrito uma música pra mim, chamada Maria Adriana, eu te amo. Ilustrei o papel com a fotografia de um beijo. Não consigo organizar o sonho, traduzir as imagens do subconsciente para o consciente, são linguagens tão diferentes. Fica só a sensação. (Flocos de sonho pegados na minha roupa). Os personagens fora de foco, o cenário idem;  mas acho que foi  sobre arroubos juvenis. 









22.4.14


Lendo e curtindo: Caixa preta, de Amos Oz.








espelho: embaçado







Atira depois pergunta

Quando lancei Diário de uma bipolar, recebi muitos emails, alguns deles não vou esquecer. Como o da garota que escreveu perguntando se, na minha opinião, ela deveria contar que era bipolar no primeiro encontro. Eu disse que talvez fosse melhor não, as pessoas são preconceituosas, e mais ainda em 2006. Eles saíram, ela estava um pouco abatida, ele sacou, e disse: "Você deveria ler um livro chamado Diário de uma bipolar." Achei fofura máxima. Ela então contou sobre a nossa conversa, e falou tinha a doença. O cara achou normal, tinha lido o livro pra ver ser era bipolar e tinha chegado a conclusão de que não era. Acabou não dando certo por motivos que nada tinham a ver com o assunto. Outro. Uma mulher, que morava nas redondezas, foi conhecer por fora a casa onde fui feliz em Miguel Pereira. Ela deduziu qual seria pelas pistas. Adorei demais. Recebi muitos emails bacanas, mas um deles foi bastante especial. O cara era lúcido, sensível e inteligente. O que me surpreendeu, possivelmente  por preconceito.






1

Oi, Marina,
tudo bem?
Meu nome é Pedro. Tenho 32 anos, casado, policial federal há 12 anos.... E bipolar.

Essa doença, quando ainda não havia sido diagnosticada, por inúmeras vezes colocou a minha vida, e de várias pessoas ao meu redor, em risco. Imagine um bipolar portando uma arma e com o poder que um policial detém.

Ainda acho que é um milagre eu não estar morto ou preso. E imagino quantos como eu estão em profissões incompatíveis com essa doença.

Há poucos anos estou estabilizado.
Escrevo para parabenizá-la pela coragem de expor às pessoas os dramas que sofremos. Espero que tenha lido o livro da psicóloga Kay Redfield Jamison (Uma Mente Inquieta).

Atenciosamente,

Pedro



2

Marina,
há uma coincidência mórbida relativa à bipolaridade no meio policial. Num raio de 200 km conheço dois outros policiais também federais que arruinaram suas vidas antes de serem diagnosticados como bipolares. Um deles está muito mal há mais de um ano e está afastado (deverá ser aposentado precocemente - deve ter uns 36 anos). O outro perdeu tudo (casamento, filhos, bens, dignidade, etc) e está agora apenas em serviços burocráticos.

Bem, quaisquer dúvidas que houver a respeito do meu caso e da bipolaridade na minha vida e trabalho, é só perguntar. Tenho a impressão de que o universo de policiais bipolares é enorme (temperamentos fortes buscariam inconscientemente profissões de risco).
Um abraço fraterno e mantenha contato,
Pedro.


 ..........................
(Nota minha: uma arma na mão de um bipolar, que é impulsivo por temperamento, pode ser usada de duas maneiras: contra ele próprio, ou contra os outros, dependendo do humor)
















para cecily











Em 1998, trabalhei num projeto de turismo da prefeitura que tinha como meta fazer do Rio uma super cidade turística. Para isso, foi contratado um cara espanhol, muito fera, que esteve no topo da campanha presidencial do Bill Clinton, por sinal, e tinha transformado duas cidades, Barcelona e Istambul, em rotas fundamentais e charmosas. O Rio foi analisado de cima a baixo, em todo o seu potencial. E, para a decepção de todos, o consultor, observando a hostilidade entre morro e asfalto, disse que nada poderia ser feito para transformá-la.















Uma casa sem livros é como uma casa sem livros.






















Explicado está.



    
"Um dos problemas que prejudica a vida do bipolar é a incapacidade de lidar com o estresse. Bipolar não tem capacidade de lidar com isso. O ser humano já tem baixa capacidade de lidar com o estresse. Mas o bipolar é dramático. Às vezes um estressor que parece banal, para o bipolar é uma coisa gigantesca que ele não consegue lidar. Você pode ver, quando o bipolar está mal, coisas banais, como renovar a carteira de motorista, fazer a vistoria do carro para o bipolar em crise não, não é nada fácil." (Diário de uma bipolar - segunda versão)

















o9:23 Ariano Suassuna deitado no aeroporto de Brasília, a espera de um voo para o Recife. Via Maria Fernandes, do Instagram de franciscosza. Há 11 horas.













21.4.14





O livro que não tem fim. Dia e noite. Perdi a mão. Que enjoo. Tudo mudou.
O outro escrevo na cama, antes de dormir, com canetas falhando e (-----)










Levantamento  Descobri que tenho 14 chaves de fenda e nenhuma aquela-outra.






Eu mesma inventei a história de colocar 5 reais em um potinho cada vez que eu reclamar de alguma coisa. Faz uma semana. Aliás, menos. O potinho (imaginário), já contêm mais ou menos 3850 reais.
Culpo as redes sociais. Antes de entrar no twitter eu não vivia reclamando de tudo.
Que droga!







E minhas sandálias lindas? Uma delas só usei uma vez, a tira de lantejoulas douradas, comprei porque estava apaixonada. Mentalmente já separei com quais vou ficar: cinco, fora dois sapatos e uma havaiana. Já é muito. Vou me desfazer da mais linda das lindas, a primeira sandália sexy que eu tive, comprei por motivo de vingança. 

(----)














~ Mas neves fazem viajar / Por montes, fontes de água doce ~















via Flávio Ribeiro










Descupinização  Tendinite violenta. Caixas e caixas de papelão bloqueando a sala, os corredores, a casa. Sacolas de roupas, de livros, de documentos, de sapatos. Pensei que tivéssemos infinitamente menos coisas do que temos. Se eu conseguir me desfazer de mais da metade de tudo, serei grata, serei feliz. 












20.4.14




















Domingo no Joá


Beatriz Francisco
Pareço legal, mas hoje,ao ler o Blowg da Marina Dabliú, me pego pensando "que número ela calça?" 

36






















Os diamantes são indestrutíveis? 
Mais é meu amor. 
O mar é imenso? 
Meu amor é maior mais belo sem ornamentos 
do que um campo de flores. 
Mais triste do que a morte, 
mais desesperançado do que a onda batendo no rochedo 
mais tenaz que o rochedo. 
Ama e nem sabe mais o que ama.

A.Prado











espelhos: limpos





















Feliz Páscoa!





















Happy Birthday The Simpsons!
First appearance April 19, 1987.
(The Simpsons - FB / Via Jean Boechat)








19.4.14



Sinto falta da felicidade nas pequenas coisas.









Parabéns, Lygia Fagundes Telles!



#91






Uma vez almocei sozinha na Colombo, de Copacabana. Como era muito cedo ainda, só duas mesas estavam ocupadas. Em uma delas, eu. Na outra, Lygia Fagundes Telles com um amigo. Fiquei tão feliz. Em outra ocasião, durante uma feira de livro no Fashion Mall, pedi para que ela autografasse um livro seu. Ela fez uma linda dedicatória, depois olhou para o Sidney e falou: "Cuida bem dela."







Michel Melamed ‏
Desde que eu nasci ainda não me ambientei








wr instagram

















eu era mais feliz antes.




















duas de cinco, o vinil

































Bárbara Paes não usa nenhuma nunca espécie de assessório: anéis, cordões, brincos, colares, pulseiras.












‏@HistoryInPics  
Woodstock Festival Tickets, 1969


















pedra da gávea



















mala de gelo para esconder emoções' (2013)
de paulo bruscky
via beth salgueiro

















tweet tweet tweet
tweet tweet tweet
tweet tweet tweet
tweet tweet tweet
tweet tweet tweet
tweet tweet tweet
tweet tweet tweet
tweet tweet tweet

tweet tweet tweet

tweet tweet tweet
tweet tweet tweet
tweet tweet tweet
tweet tweet tweet
tweet tweet tweet
tweet tweet tweet
tweet tweet tweet
tweet tweet tweet

tweet tweet tweet



















Sinceridade só na presença dos meus advogados.
























































Quando Cortázar morreu, Carlos Fuentes telefonou para García Márquez e disse: "Gabo, tenho uma notícia terrível. Nosso grande amigo Julio Cortázar morreu!". Houve um momento de silêncio. Depois, García Márquez disse: " Não acredite em tudo que lê nos jornais…"  (Via Cassiano Viana / FB)





17.4.14







Em um relacionamento sério com você.

















kandinsky


























Via Vanessa Prates











              bloWg, a revistinha





































trocando walter white por don draper a contragosto.

















(trecho)

Queria voltar um dia àquela casa. O cheiro da cozinha. As cebolas penduradas e o bule, o perfume era uma mistura de feijão no fogo, alho e terra batida. O chão vermelho do banheiro deixava as marcas dos nossos pés quando saíamos do banho. Fazíamos sombras de animais nas paredes do quarto, eu sinto até hoje aquele momento: a colcha sobre o lençol, a quentura das velas tremulantes; os primos. 

Éramos tão pequenos. Andar de carrinho de mão, buscar trilhas. O mundo dos adultos me parece trepidante: minha mãe deu um tapa no meu tio, em defesa da irmã. Meu pai me salvou a vida. Ao que parece, minha avó tinha uma amizade bastante estreita com o português dono do estábulo. 

Meus pais iam pra lá quando ainda namoravam, e fotos mostram os dois nadando na única piscina da região. O girassóis cumpriam seu papel. Jogava-se sueca. Em uma placa azul com letras brancas estava escrito Sítio Bela Vista. Aquela casa é a mais importante da nossa família, assim como a da minha outra avó. Queria aquela placa pra mim. Rosebud.














Saudade de vagalume, saudade de orvalho.

























@HistoryInPics



  The pet fawn of Brad Curry of Galesburg, Michigan, watches him depart from home every morning on his school bus, 1960



The moment captured here is Elvis comforting his father after the death of his mother. 1958











                                                  O maior escritor da minha vida. / Esquire
foto do fb go, writers









Chelsea grávida.


















linda capa








Kepler-186f











para sempre gabo 





















 espelhos shopping da gávea: manchado











 
margaret mee





























Escrevendo de manhã até de noite, várias xícaras de café, que bebo quente ou frio - gosto das duas maneiras. Saudade de morar na Gávea, ir ao supermercado, e na volta encontrar amigos sem querer, que mudam o rumo do dia, ir de um canto ao outro, acessos de riso, chopes gelados. Saudade da Gávea.

~ revisar ~






16.4.14
































Vivien Leigh, Laurence Olivier, Marilyn Monroe and Arthur Miller at the opening night of A View from the Bridge. Photograph: Hulton Archive/Getty Images








eu também vi a lua de sangue.


(Maio de 2004)



A lua e eu Anteontem fui ao Arpoador ver o eclipse, com Leandra, Flávio Ribeiro e Chris, uma americana. Foi lindo, a lua ficou vermelha sim, opaca, tímida, mas vermelha. Foi um happening, como se dizia nos anos 70. A única coisa que estragou foi que deveriam ter colocado um Tom Jobim, em vez de uma orquestra de cordas sopro terrível. Nada a ver com nada.

Leandra contou que quando era pequena e morava no Cairo, Che Guevara, no período que esteve visitando à cidade, frequentava sua casa. Para tomar café. Nunca vi nada mais bacana em toda a minha vida. Vou saber mais detalhes com a mãe dela para o livro de cinema. No celular a mãe adiantou que ele era "lindoooooooooo" e o homem mais charmoso que conheceu. A conversa veio à tona por causa de uma bicicleta que eu vimos, encostada num quiosque, com um adesivo do guerrilheiro. Pop world.










(Os sublinhados são meus)





Eis os Estatutos da Padaria Espiritual, movimento pioneiro no Ceará — terra de José de Alencar — e precursor das academias de letras em terras brasileiras. Movimento modernista, ainda hoje atual, com 40 anos de antecedência à Semana de Arte de 1922.

1) Fica organizada, nesta cidade de Fortaleza, capital da "Terra da Luz", antigo Siará Grande, uma sociedade de rapazes de Letras e Artes, denominada Padaria Espiritual, cujo fim é fornecer pão de espírito aos sócios em particular, e aos povos, em geral.

2) A Padaria Espiritual se comporá de um Padeiro-Mór (presidente), de dois Forneiros (secretários), de um Gaveta (tesoureiro), de um Guarda-livros na acepção intrínseca da palavra (bibliotecário), de um Investigador das Coisas e das Gentes, que se chamará Olho da Providência, e demais Amassadores (sócios). Todos os sócios terão a denominação geral de Padeiros.

3) Fica limitado em vinte o número de sócios, inclusive a Diretoria, podendo-se, porém, admitir sócios honorários que se denominarão Padeiros-livres.

4) Depois da instalação da Padaria, só será admitido quem exibir uma peça literária ou qualquer outro trabalho artístico que for julgado decente pela maioria.

5) Haverá um livro especial para registrar-se o nome comum e o nome de guerra da cada Padeiro, sua naturalidade, estado, filiação e profissão a fim de poupar-se à Posteridade o trabalho dessas indagações.


6) Todos os Padeiros terão um nome de guerra único, pelo qual serão tratados e do qual poderão usar no exercício de suas árduas e humanitárias funções.

7) O distintivo da Padaria Espiritual será uma haste de trigo cruzada de uma pena, distintivo que será gravado na respectiva bandeira, que terá as cores nacionais.

8) As fornadas (sessões) se realizarão diariamente, à noite, à excepção das quintas-feiras, e aos domingos, ao meio-dia.

9) Durante as fornadas, os Padeiros farão a leitura de produções originais e inéditas, de quaisquer peças literárias que encontrarem na imprensa nacional ou estrangeira e falarão sobre as obras que lerem.

10) Far-se-ão dissertações biográficas acerca de sábios, poetas, artistas e literatos, a começar pelos nacionais, para o que se organizará uma lista, na qual serão designados, com a precisa antecedência, o dissertador e a vítima. Também se farão dissertações sobre datas nacionais ou estrangeiras.

11) Essas dissertações serão feitas em palestras, sendo proibido o tom oratório, sob pena de vaia.

12) Haverá um livro em que se registrará o resultado das fornadas com o maior laconismo possível, assinando todos os Padeiros presentes.

13) As despesas necessárias serão feitas mediante finta passada pelo Gaveta, que apresentará conta do dinheiro recebido e despendido.

14) E proibido o uso de palavras estranhas à língua vernácula, sendo, porém, permitido o emprego dos neologismos do Dr. Castro Lopes.

15) Os Padeiros serão obrigados a comparecer à fornada, de flor à lapela, qualquer que seja a flor, com excepção da de chichá.

16) Aquele que durante uma sessão não disser uma pilhéria de espírito, pelo menos, fica obrigado a pagar no sábado café para todos os colegas. Quem disser uma pilhéria superiormente fina, pode ser dispensado da multa da semana seguinte.

17) O Padeiro que for pegado em flagrante delito de plagio, falado ou escrito, pagará café e charutos para todos os colegas.

18) Todos os Padeiros serão obrigados a defender seus colegas da agressão de qualquer cidadão ignáro e a trabalhar, com todas as forças, pelo bem estar mútuo.

19) É proibido fazer qualquer referência à rosa de Maiherbe e escrever nas folhas mais ou menos perfumadas dos álbuns.


20) Durante as fornadas, é permitido ter o chapéu na cabeça, exceto quando se falar em Homero, Shakespeare, Dante, Hugo, Goethe, Camões e José de Alencar porque, então, todos se descobrirão.


21) Será julgada indigna de publicidade qualquer peça literária em que se falar de animais ou plantas estranhos à Fauna e à Flora brasileiras, como: cotovia, olmeiro, rouxinol, carvalho etc.


22) Será dada a alcunha de "medonho" a todo sujeito que atentar publicamente contra o bom senso e o bom gosto artísticos.


23) Será preferível que os poetas da "Padaria" externem suas idéias em versos.


24) Trabalhar-se-á por organizar uma biblioteca, empregando-se para isso todos os meios lícitos e ilícitos.


25) Dirigir-se-á um apelo a todos os jornais do mundo, solicitando a remessa dos mesmos à biblioteca da "Padaria".


26) São considerados, desde já, inimigos naturais dos Padeiros - o Clero, os alfaiates e a polícia. Nenhum Padeiro deve perder ocasião de patentear seu desagrado a essa gente.


27) Será registrado o fato de aparecer algum Padeiro com colarinho de nitidez e alvura contestáveis.


28) Será punido com expulsão imediata e sem apelo o Padeiro que recitar ao piano.


29) Organizar-se-á um calendário com os nomes de todos os grandes homens mortos, Haverá uma pedra para se escrever o nome do Santo do dia, nome que também será escrito na Ata, em seguida à data respectiva. 

30) A "Avenida Caio Prado" é considerada a mais útil e a mais civilizada das instituições que felizmente nos regem, e, por isso, ficará sob o patrocínio da Padaria,


31) Encarregar-se-á um dos Padeiros de escrever uma monografia a respeito do incansável educador Professor Sobreira e suas obras.


32) A "Padaria" representará ao Governo do Estado contra o atual horário da Biblioteca Pública e indicará um outro mais consoante às necessidades dos famintos de idéias.


33) Nomear-se-ão comissões para apresentarem relatórios sobre os estabelecimentos de instrução pública e particular da Capital relatórios que serão publicados,


34) A Padaria Espiritual obriga-se a organizar, dentro do mais breve prazo possível, um Cancioneiro Popular, genuinamente cearense.


35) Logo que estejam montados todos os maquinismos, a Padaria publicará um jornal que, naturalmente, se chamará O Pão.


36) A Padaria tratará de angariar documentos para um livro contendo as aventuras do célebre e extraordinário Padre Verdeixa.


37) Publicar-se-á , no começo de cada ano, um almanaque ilustrado do Ceará contendo indicações uteis e inúteis, primores literários e anúncios de bacalhau.


38) A Padaria terá correspondentes em todas as capitais dos países civilizados, escolhendo-se para isso literatos de primeira água.


39) As mulheres, como entes frágeis que são, merecerão todo o nosso apoio excetuadas: as fumistas, as freiras e as professoras ignorantes.


40) A Padaria desejaria muito criar aulas noturnas para a infância desvalida; mas, como não tem tempo para isso, trabalhará por tornar obrigatório a instrução pública primada.


41) A Padaria declara desde já guerra de morte ao bendegó do "Cassino".


42) É expressamente proibido aos Padeiros receberem cartões de troco dos que atualmente se emitem nesta Capital.


43) No aniversário natalício dos Padeiros, ser-lhes-á oferecida uma refeição pelos colegas.


44) A Padaria declara embirrar solenemente com a secção "Para matar o tempo" do jornal "A Republica", e, assim, se dirigirá à redação desse jornal, pedindo para acabar com a mesma secção.


45) Empregar-se-ão todos os meios de compelir Mané Coco a terminar o serviço da "Avenida Ferreira".


46) O Padeiro que, por infelicidade, tiver um vizinho que aprenda clarineta, pistom ou qualquer outro instrumento irritante, dará parte à Padaria que trabalhará para pôr termo a semelhante suplício.


47) Pugnar-se-á pelo aformoseamento do Parque da Liberdade, e pela boa conservação da cidade, em geral.


48) Independente das disposições contidas nos artigos precedentes, a Padaria tomará a iniciativa de qualquer questão emergente que entenda com a Arte, com o bom Gosto, com o Progresso e com a Dignidade Humana.


Amassado e assado na "Padaria Espiritual", aos 30 de Maio de 1892.


Seguem-se as assinaturas dos padeiros presentes, em número de dezoito, faltando, portanto, duas assinaturas.

(...)






É muita lindeza.

Qualquer flor na lapela : )
Dedico a Déa Paulino









Sedex

Obrigada, Ana. Pela delicadeza, pelos limões, o bilhete, e a pedra de Itaimbezinho.






15.4.14




Primeiro os dramas.





(@DeniseRossi)














Planetário de Buenos Aires - via Flávio Ribeiro









Como sou perfeccionista e distraída, meu trabalho é dobrado. Leio e releio até a exaustão. Revisando os dias nova-iorquinos me deu tanta saudade do Gabriel! 

- Como você pode ficar sozinha, minha filha?
- Ela não está sozinha, está comigo.

A vida real não é assim. Ninguém entra no restaurante na hora exata de responder uma pergunta. Mas e a mágica? A mágica!

É tão bom quando a nossa vida vira um filme de aventuras, coincidências e amor. Minha vida está meio cinema japonês: posso cair no sono a qualquer momento. Mas é assim mesmo. Às vezes é fase, às vezes é estrela.

















Arquivos: Minha vida era agitadíssima; e as fotos eram as mais lindas da internet.











14.4.14


Madonna
11 min  

Madonna is live on BuzzFeed now!










Vento violento. O anjo de madeira e asas azul da cor do céu voou do alto da estante e caiu no chão, fiquei triste, fiquei preocupada, é um dos meus objetos prediletos, mas nem a asa lascou. Estou escrevendo no meio do caos até não suportar mais. Escolhi entregar em outubro passado, mas Mary não tem pressa: são muitos livros para ler, reler, cuidar, editar. Além da Feira de Frankfurt. Saudade da Angela, pedi sessão avulsa, depois refaço as contas: melhor não. A vida é difícil sem ela. (----------------) Perdi parte do meu nome: o pior acontecimento de 2014, e tomara que seja mesmo. Afivelando as malas. Paguei 1200 reais de juros. Recorto e colo. Vontade de comer pudim de pão do Talho. Durmo cedíssimo. Sopa de abobrinha com polenguinho. Mil calorias por colherada. Saudade de Mr. White. Ontem tentei ver House of Cards, mas me senti como se um amor tivesse acabado de morrer e imediatamente eu me jogasse nos braços de um estranho qualquer. Escrevo sem parar, até a náusea chegar e me nocautear. 




Como a vida é possível sem paixão? Não é.
















Via OMG Paradise









Com o Instagram fora do ar as pessoas estão em jejum?























Abrir o portão do prédio e soltá-lo, deixando que ele bata sozinho, com estrondo. Arrastar cadeira da piscina, em vez de levantá-la, para trocá-la de lugar. Realmente. Não façam isso, é desagradável.
























13.4.14






Facebook
Lourenço Mutarelli
1 h  
Trabalhando igual um feladaputa







Via Cecily









Grafite em Sampa - via Gilberto Dimenstein














domingo












12.4.14











Pilhas de caixas de papelão: é preciso tirar tudo de todos os armários da casa: descupinização. O trabalho é insano, mas é como se mudar: ficaremos com  o essencial. 









Coco Chanel e Salvador Dalí













Particular Amanhã, domingo, vou assistir o último episódio de Breaking Bad. já com saudades de Walt. Estou sonolenta. Meu último sonho foi com J., tínhamos voltado a namorar, estava caída por ele, assistíamos uma conferência, eu estava sentada na cadeira atrás da dele e o abraçava pela cintura. No intervalo de todo amor que ele já sentiu por mim, antes de voltarmos a ficar juntos, houve um outro amor. O nome dela era Sara. 

Anotei tudo no caderno imediatamente após eu ter acordado e, de cabeça, o restante esqueci. Estou dando voltas, não sei bem o que escrever. [apaguei uma parte: os limites da intimidade]. Lendo as aventuras de Pepe Carvalho, o detetive que queima livros após lê-los. 

Preciso fazer tantas coisas na vida!

E essa náusea.











twitter
madonna
1 dia atrás
I dare you to read a book this weekend! War and Peace? To Kill a Mocking Bird? Catcher in the Rye? The Heart is a Lonely Hunter? For Whom the Bell Tolls? As i lay Dying? Giovanni's Room? The Bell Jar? These books changed my life. #artforfreedom #rebelheart
















“Eu bebo champagne quando estou feliz e quando estou triste. Por vezes eu bebo quando estou sozinha. Mas quando tenho visitas é imprescindível. Eu beberico se não tenho fome e bebo, se tenho. Caso contrário, eu nunca bebo. A menos que tenha sede.”

Madame Lily Bollinger

(Via Ledusha/ FB)


Quando Jacques Bollinger morreu em 1941, sua viúva, Lily Bollinger, administrou sua famosa casa de champagne durante os anos difíceis da ocupação alemã na França.

Dirigiu a empresa até a morte, em 1977. A Bollinger prosperou sob seu comando e dobrou de tamanho. Ela era uma figura adorada em Champagne, onde era vista diariamente pedalando sua bicicleta pelos vinhedos. 









Facebook / Sonia Braga







Ariano Suassuna fala sobre a banda Calipso.