23.7.14












(Diário de Pernambuco, 23/07/2014):


"Carta para Ariano,

Quem te escreve agora é o Cavalo do teu Grilo. Um dos cavalos do teu Grilo. Aquele que te sente todos os dias, nas ruas, nos bares, nas casas. Toda vez que alguém, homem, mulher, criança ou velho, me acena sorrindo e nos olhos contentes me salva da morte ao me ver Grilo.


Esse que te escreve já foi cavalgado por loucos caubóis: por Jó, cavaleiro sábio que insistia na pergunta primordial. Por Trepliev, infantil édipo de talento transbordante e melancólicas desculpas. Fui domado por cavaleiros de Sheakespeare, de Nelson, de Tchekov. Fui duas vezes cavalgado por Dias Gomes. Adentrei perigosas veredas guiado por Carrière, por Büchner e Yeats. Mas de todos eles, meu favorito foi teu Grilo.


O Grilo colocou em mim rédeas de sisal, sem forçar com ferros minha boca cansada. Sentou-se sem cela e estribo, à pelo e sem chicote, no lombo dolorido de mim e nele descansou. Não corria em cavalgada. Buscava sem fim uma paragem de bom pasto, uma várzea verde entre a secura dos nossos caminhos. Me fazia sorrir tanto que eu, cavalo, não notava a aridez da caminhada. Eu era feliz e magro e desdentado e inteligente. Eu deixava o cavaleiro guiar a marcha e mal percebia a beleza da dor dele. O tamanho da dor dele. O amor que já sentia por ele, e por você, Ariano.


Depois do Grilo de você, e que é você, virei cavalo mimado, que não aceita ser domado, que encontra saídas pelas cêrcas de arame farpado, e encontra sempre uma sombra, um riachinho, um capim bom. Você Ariano, e teu João Grilo, me levaram para onde há verde gramagem eterna. Fui com vocês para a morada dos corações de toda gente daqui desse país bonito e duro.

Depois do Grilo de você, que é você também, que sou eu, fui morar lá no rancho dos arquétipos, onde tem néctar de mel, água fresca e uma sombra brasileira, com rede de chita e tudo. De lá, vê-se a pedra do reino, uns cariris secos e coloridos, uns reis e uns santos. De lá, vejo você na cadeira de balanço de palhinha, contando, todo elegante, uma mesma linda estória pra nós. Um beijo, meu melhor cavaleiro.

Teu,
Matheus Nachtergaele"

Via Thatty Castello Branco















Os dias perfeitos: sol de manhã e dez graus de madrugada.










James Rodriguez









Anteontem fui ao Mundo Verde e vi que um vidro mínimo de Ghee custa 29 reais. Sendo que pra fazer basta uma barra de 250 gramas de manteiga. Aprendi com a Bela Gil a cozinhar várias sopas pra essas noites de inverno. 

Hoje fiz creme de abóbora, delicioso, dez minutos, custou 4 reais. Quanto custa no restaurante? Não sei. O que é preciso: abóbora, água e cebola. Da abóbora se aproveita tudo. 


Além da casca, e da água do cozimento, as sementes podem ser tostadas no forno. Elas contém fósforo, magnésio e manganês. Os minerais: zinco, ferro e cobre. As sementes de abóbora também têm proteína e vitamina K (claro que copíei esses lances do Google, e fiquei sabendo agora).



Para fazer Ghee

- Coloque a barra de manteiga sem sal em uma panela e leve ao fogo médio, mais para alto. A manteiga derreterá até começar a ferver. Então formará uma espuma e, em seguida, ela baixa. 
- Quando formar a segunda espuma, aguarde alguns minutos e retire do fogo (formará uns cristais no fundo da panela, que é a lactose). 
- Após esfriar, coe e coloque em um vidro. Deixe no freezer até endurecer e depois retire. Está pronta para usar. Armazene fora da geladeira. 
- Dez minutos pra fazer, 30 para aguardar. Rende um pote de vidro de 200 gramas. A receita também é da filha do compositor. Serve para fazer frituras.













Millôr fala de Suassuna

(...) E a última vez em que estivemos juntos foi o momento mais extraordinário. Na casa de nosso comum amigo José Paulo Cavalcanti, jornalista, escritor e causídico (a ordem é a do leitor), numa praia de quatro quilômetros de extensão, em Porto de Galinhas. Ficamos lá horas, conversando dentro d’água, num mar indizível mas que vou tentar dizer.

A meu lado, dentro das águas claras, mansas e verdes, a presença absolutamente surreal de Ariano, secundado por (apertem os cintos!) Luis Fernando Verissimo. E eu ali, galera, me boquiabrindo diante da loquacidade brilhante de Suassuna e me boquifechando diante do mutismo perturbador de Verissimo, mostrando, como sempre, que não é homem de jogar conversa fora.


Ao redor, a meteorologia no seu melhor, enviando leves pancadas de chuva em momentos precisos, e vento sempre fresco, com dezoito nós e alguns laços — os da amizade.

texto completo / Via Cesar Miranda

























onírico


hengki koentjoro











Não entendo a frase "A gente era feliz e não sabia". Eu sempre soube.




Michael Jordan / Dan Winters










eu gostava de saber que o joão ubaldo e o ariano suassuna estavam aqui pra ajudar a segurar a barra.

















Não sei porque algumas pessoas falam ovo estalado se podem dizer ovo estrelado.








Modelo plus size. Tá todo mundo louco obá.
(link: Jean Boechat)


22.7.14


Neymarketing





















mais















Na ansiedade de dar um furo, a imprensa matou o escritor.



















Adoro o Liam  Neeson, mas ele não tem absolutamente nada a ver com o Matt Scudder.  Segundo: o detetive jamais teria um  iMac. Aliás, ele nem sabe mexer em computador.









O avô do Gregório Duvivier era psicanalista da Maria Clara Machado #curriculo






degas








No tempo do Boni causava demissão.

















Como ser feliz.
Via Mara Coradello










via








tô na dúvida se a pessoa mais chata do planeta é a miley cyrus ou a miley cyrus.









"A jornalista e atriz Cynthia Benini não é uma pessoa querida nos bastidores do SBT. Ela tem fama de ter problemas com pontualidade, de ser arrogante e bipolar."
(UOL)

Fama de bipolar. Manero.





Outros exemplos que podem ser aplicados em outras matérias

(  ) fama de diabético
(  ) fama de esquizofrênico
(  ) fama de asmático
(  ) fama de cardíaco












Todo mundo deve ter lido a respeito da foto do Spielberg ao lado de um dinossauro morto, no set de Jurassic Park, foto manjada, pode ser encontrada nos arquivos do blog - treze anos, então tenho todas as fotos do mundo, praticamente-, que foi publicada no Facebook e muitas pessoas ficaram revoltadas chamando o cineasta de assassino, algumas dizendo que nunca mais assistiriam nenhum filme dirigido por ele. No entanto não gosto da mensagem involuntária e subliminar da foto, porque remete à caçadas, assim como essa outra, que peguei no FB do Sérgio Glasberg, numa continuação da pegadinha. Entendo perfeitamente quando o Paul McCartney proibe estampas de onças etc em seu camarim, ainda que de pano.

Tb acho o fim essa modinha de cabeças de veados ou leões, fakes, na parede da sala e, muitíssimo comum, em feltro no quarto das crianças. Não façam isso (mau gosto e sem graça)




21.7.14




Embromation Não posso ter obrigação de acordar tal hora, porque simplesmente não consigo dormir na véspera. Copos de cristal quebram dentro da mala, mas não pensei nisso. O. não cumpre o prometido. Clonaram meu Visa e compraram passagens de avião. Assisti o último episódio da sexta temporada de Mad men, sem saber que era o ultimo, portanto sem dar o valor devido. MC sugeriu assistir tudo de novo. Apesar de rejeitar a sugestão, revi o primeiro episódio: Don Draper está  baby. (Joan também). A gata está com hipertiroidismo. Refogadinhos, suflê de chuchu, saladinhas, aipim frito, sopa de milho. Eu podia viver só a base de wafle congelado com mel. Estou desidratada, porque parei de tomar refrigerante e esqueço de beber água. Nunca senti sede, mas vontade de tomar Coca-Cola. MC foi escrever "Vou pra casa", porém o corretor do iPhone achou que fazia mais sentido dizer "Vou pra Caatinga". Ta boa? A fim de ver O Rebu, mas não agora. Ignoro a novela das oito, como ignorei a anterior. Aguardo Gilberto Braga. Troco Draper por Underwood, a contragosto. Dancin' days.