meu caderninho de telefone, acho bonito os desenhos que vão se formando sem querer, enquanto estou conversando. Porém, gostaria que minhas anotações fossem claras, objetivas, sem rabiscos ou desenhos. Já mudei de agendas por causa disso, mas não adianta.











30.8.14




















Kintsukuro, a arte japonesa de consertar cerâmica com ouro ou prata e compreender que a peça é mais bela por ter sido quebrada. 

Não somente não há qualquer tentativa de ocultar o dano, mas o reparo é literalmente iluminado - uma expressão física do espírito de mushin. 

Mushin é frequentemente traduzido como “estado de não mente” – um estado de consciência aberta a tudo, existindo plenamente no momento, sem apego ou julgamento

Obrigada, Rosane Serro.











despencando de tristezas invisíveis, o sol queimando meu corpo no último andar, não se preocupe, não digo nada, coleção de segredos, peixes despencando sobre nossas cabeças, não diga nada, a lua, os doces sem açúcar, o cinema (o cinema!) de parede incômoda, o vinho mais barato, não enxergávamos os espelhos os faróis os avisos de contramão. A água azul a água azul, os lençóis brancos de enfermaria, a parede rabiscada a rosa roubada mordidas o menino a grama o louco recitando camões as casas na vila que víamos da janela. "Aquela se parece com a da minha infância"- o quintal era um retângulo vazio de cimento, a infância que você odiava, a sorte de ser mais alto do que a atriz: o decote em V. Fecha os olhos, não tropeça, confia em mim, dentro do envelope folhas das árvores que vivem em frente ao mar, vamos dançar, a varanda, o navio, não olha agora, silêncio. O chão de pastilhas azuis em frente ao consultório, te espero no sofá, não fala, não diz nada, não se preocupe, passou, não é você, não sou eu, é a vida, meu amor, ouve agora.



































Quando alguém fala por mim.










"Eu sinto uma diferença entre o dia em que não faço nada e o dia em que não consigo fazer nada. No dia em que não faço nada as horas passam e eu passo por elas, como aquele banho de mar, gostoso, em que a gente só fica lá, em pé, e deixa as ondas lamberem o corpo. No dia em que não faço nada há prazer nos vazios, sorrisos sem motivo e as coisinhas miúdas estão ali, feito jarrinho de girassol na janela, lembrando pra que lado fica o morno. No dia em que não faço nada não há culpa, solidão ou angústia, não há espaço sobrando na cama, não há páginas em branco zombando, não há louça na pia ou roupa na máquina esperando. Só a vida, divertida, esquecendo o relógio. Nos dias em que nada consigo fazer, não. Há peso. Escombros. No dia em que não consigo fazer nada sinto as pernas cansadas, areia movediça, os olhos embaçam, há fome, ocos, esquinas escuras. No dia em que não consigo fazer nada me sinto pequena. Me lembro tudo que não sei. Que não posso. Que não faço. Nos dias em que não consigo fazer nada as horas não passam, demoram-se rindo da minha inabilidade em existir. As coisinhas miúdas tornam-se imensas, a casa em bagunças, o peito em desalinho, o riso em ausências. Não faço nada, sou nada, desapareço."
(Luciana Nepomuceno)












PAREM AS MÁQUINAS  Hello Kitty é humana!











 A notícia que li ontem no jornal, Marina está no topo da preferência dos eleitores paulistas, só confirma que realmente o brasileiro só é solidário no câncer.


29.8.14







Hoje eu fui no lugar mais moderno do Rio de Janeiro: Biblioteca Parque, no centro da Cidade. Fomos Angela S. e eu. E também ao MAR. A Biblioteca Parque, um projeto da Bel Lobo, é verde. A palavra é: espetacular. Como o Rio merecia ser. Um espaço democrático onde se pode assistir shows, ficar na internet, fazer trabalhos de grupo, ensaiar peças de teatro, ler, conversar, dormir, beber um café. Enfim, um arraso.




 Pequeno auditório
 seção de livros para cegos


mesas com madeira reaproveitada, assim como todas as outras: luxo


Cadeira mais confortável e macia do mundo, reciclada

 mais mesas, muitas mesas de muitas cores

 todo piso tem uma parte para guiar cegos


 livros, naturalmente. Você pode levar pra casa por quinze dias.

 internet aos montes


 Um círculo grande, geralmente com almofadões pra você: dormir.


Frase de João Cabral de Melo Neto. Frases em todo canto.

 Cafeteria
                                   
 Carrinho para carregar livros

 :)

                                       

 Sente-se para ler todos os jornais do dia.

 Elevador


Todas as poltronas são deliciosas


lojinha de museu: cara











I love you very much.






25.8.14






Sobre dancin' Days, notas soltas   Quando revi Vale tudo, me pareceu ainda mais genial do que na primeira vez que foi ao ar, em 1988. É mais moderna do que qualquer outra novela que veio depois, além de atualissima. No entanto, Dancin' Days, produzida dez anos anos, decepciona. Existem pontos como o número pequeno de personagens, ao contrário das novelas de hoje que chegam a ter mais de trinta atores,  que vão ganhando espaço ou sendo jogados pra escanteio de acordo com o gosto popular. Acaba que DD tem sua graça por nós mostrar o panorama da época, algumas coisas inacreditáveis, como Alberico - um dos personagens mais interessantes de Gilberto Braga - sonhar em ter uma central de táxis. "A pessoa chamaria um táxi por telefone e ele chegaria em cinco, dez minutos, compreende?"

No mais:

Alguns cabelos iam até a cintura, como o da Glória Pires.
Os estúdios tinham eco.
A moda era horrorosa, vestidos de cetim!
E os pega rapaz na testa da Júlia Mattos?
Antonio Fagundes estaria no ponto dez anos depois, como Ivan.
A sunga do Antonio Fagundes.
O cabelo frisado da Pepita Rodrigues.
As camisas sociais pretas e transparentes do Claudio Correia e Castro.
Ontem o Mauro Mendonça apareceu de smoking: a gravata borboleta era do tamanho daquelas usadas pelos palhaços de circo e camisa colada no corpo.
E a academia transadíssima do Ubirajara!
Eu era tão menina que achava a Cleide Blota (assim como suas amigas de praia) parecida com
uma senhora de cem anos. Não é. É uma mulher bonita. Os penteados da época envelheciam muito as mulheres.
Alberico tem  66 anos, mas parece ter mais de 80.
Cacá tem 29 anos e diz que quer mudar de vida, "apesar de não ser mais jovem".
A única parte que pulo é a da P. Rodrigues: a voz dela é chata.
Lourdes Mayer, atriz maravilhosa. Assim como a Yara Amaral, tão nelsonrodriguiana! Gracinda Freire, Mário Lago, Chica Xavier, Milton Moraes, Joana Fomm. Ary Fontoura!



(No outro dia alguém reclamou que a novela está toda cortada. Não sei se é isso mesmo, ou se as cenas curtíssimas eram apenas questão de estilo)


Curiosidades: Gilberto Braga queria que Júlia Mattos fosse a Betty Faria, mas as relações dela com Daniel Filho não estavam boas. Tinham acabado de separar por conta do triângulo amoroso com Mário Gomes. Também queria que o papel do Reginaldo Faria fosse feito pelo Daniel Filho (mais tarde o diretor namoraria Lídia Brondi). Joana Fomm seria Neide, a governanta, que foi interpretada por Regina Vianna, e Norma Bengell seria Yolanda. Glória Pires tinha 15 anos. Na abertura Beatriz Segall aparece com Beatrix, sugestão de Daniel Filho. Eri Johnson, Jorge Fernando, e Claudia Ohana aparecem como figurantes. (Consulta: Wikipédia)




~refazer todo o texto, que está uma bomba ~












Bryan Cranston deveria ser hors concours.  Porque não tem pra ninguém #Emmy












Sortuda  é a Louise L Dreyfus que, além de receber o Emmy, ganhou um beijo caliente do Bryan Crainston. Só depois que percebi que eles foram coleguinhas em Seinfeld. Muito amor :)


Olha o que achei! 
@seinfeldtv












#Emmy #carpet
Via Lu Figueiredo





Sempre quando, por algum motivo como hoje, o nome do Antonio Hermírio de Moraes vem à minha cabeça eu sempre me lembro da mesma coisa: quando assisti uma entrevista onde ele dizia que nunca tinha entrado na piscina da casa dele.










Ego retrô. A página que eu gostaria de ter criado. Via Gabizete Cavalcante. 












24.8.14


Os dias mais lindos





























Para Antonio, A/C  Cecily
;)










A culpa que a gente sente ao ficar deprimida quando tudo está bem.














Sucessão de impulsos -----> minha vida.












23.8.14


Saramago e Cia






Me incomoda muitíssimo o romance do José Alfredo com a Maria Ísis, por ela parecer ter 14 anos, e ele tratá-la como se ela fosse de fato uma criança. Além disso, a Marina RB não me comove, então, se ela não estivesse envolvida com o comendador - ou não fizesse parte da ótima família de malandros - eu pularia a parte dela também. Continuo dando FF nas partes chatas, talvez nem sejam TÃO chatas, pois se pulo não tenho certeza, mas dispenso: todo o núcleo L Leal, que engloba quase todas as partes chatas; núcleo A Graça;  núcleo mulher que faz chantagem; núcleo N Costa.  O resto assisto e gosto. Também vejo Dancin' days e na minha memór

~cansei de escrever o post no meio ~









Perigo.






Amazon chegou chegando, mas como sou demodê, continuarei a comprar livros nas livrarias. Porque faz parte do pacote do prazer.





22.8.14







Le mur des je t'aime






Achei essa foto, fui num site de photoshop, nunca tinha feito isso, me senti como se estivesse cometendo um crime, tirei as rugas da testa e todas as outras que encontrei pelo caminho, fiz de qualquer jeito, porque não tenho paciência. Só não coloquei botox (símbolo: uma injeçãozinha) para tirar o vinco entre os olhos. Depois, se quiser,  clica em suavizar, ou algo que o valha. Queria esses truques na real life.
(Esse cabelo-palha era meio coque, meio rabo de cavalo, meio já estou de pijama e vou dormir. A boca, com protetor, é minha mesmo, eu adoro)

Na verdade não soube usar os recursos direitos. Embrulhei e mandei.