12.4.15

Felicidades, James



#36












Virou a chave.















Quer uma coisa mais careta do que um marido ter uma amante?






11.4.15

candidata























é impressionante como a Kate Moss é bonita. 









@HistoryInPix  26s
Francis Ford Coppola's potential cast list for The Godfather, 1970s 









































Sábado
(assim é se lhe parece)





























(@terranoticias)


























19:19
























Sábado ----  Sanduíche, bolo e coca-cola na espera de um choque de açúcar. Minha energia aumentou 30%, fiquei decepcionada. Fui ao cinema. Cheguei 5 minutos antes do filme começar. Quando fui olhar , meu lugar estava ocupado, e o cinema lotado. Sou contra numeração, encareta o cinema. Sentei em outra cadeira. Chegou a dona. Mudei para outra: chegou a dona. Fiquei tão irritada que sentei na escada. De repente resolvi me mandar. O filme está fazendo o maior sucesso aqui no Rio: A Família Bélier.













































Deus te proteja.




























noveladojec
Há 4 horas
Alexandre Nero e Vanessa Giácomo darão vida a Romero e Toia, os protagonistas da nova novela de João Emanuel Carneiro. Ele, um bandido em busca de redenção. Ela, uma heroína batalhadora e íntegra.















Casa dos artistas


Luana Piovani















earthpix
Tag a true friend! Indonesia










Isabela Garcia e a fofurice.


10.4.15







rip vip O bloWg gostava da Bárbara Heliodora. Especialista em Shakespeare - a maior do Brasil, se não me engano, e  teatro. Não temos quem colocar no lugar.










mala com dinheiro falso no Lago Paranoá  (G1)


















Dilma Rousseff  e Mark Zuckerberg / Panamá





















Kate Moss almoça com a filha no Copacabana Palace.

















Em meados dos anos 1960, o poeta João Cabral de Melo Neto jantava na cantina Fiorentina, no Leme, com dois amigos pernambucanos. Em certo momento, ouviu-se um rumor na varanda e João Cabral perguntou o que estava acontecendo. "É o Chacrinha, que acabou de chegar". "Chacrinha? Quem é Chacrinha?", quis saber João Cabral.

"É um apresentador de tv, muito famoso", disseram. Cônsul do Brasil em Barcelona, com raras vindas ao Rio e famoso por não se interessar por música e tomar dez aspirinas por dia para a dor de cabeça, o poeta estava por fora do que acontecia por aqui.

(...)

Chacrinha entrou ventando na Fiorentina, cercado por dez ou quinze aspones. Ao se aproximar da mesa de João Cabral, estacou e olhou-o por um segundo. Então, abriu os braços e exclamou:"Cabral!!!!". O poeta levou um susto, mas não deixou a bola cair: "Abelardo!!!". Levantou-se no ato e os dois se abraçaram, aos soluços. Colegas de primário há 30 anos, nos Maristas, de Recife, tinham acabado de se reencontrar.


(A palavra mágica - Ruy Castro - Cosacnaify)






















eu não vou.




















Babilônia é chata. Odeio dizer isso porque é trabalho escravo, do autor, diretores, atores, noite a dentro. Daí alguém vira e diz: É chata. É muita sacanagem. Não queria estar na pele do G Braga. Anteontem a Inês disse para a Beatriz: "Já sei que o garoto é filho do homem que você matou". De novo, de novo. A novela está toda molenga, frouxa, barriga em primeiras semanas. Mal entendido separa casal principal (Regina e Vinicius). Eles voltam, beijos, mal entendido, beijos. Mocinha que chora mordendo a mão. As coisas não acontecem. Novela Lu patinadora. Primeiros caps é prova de fogo. A Beatriz (presentão do Gilberto Braga para seu talismã Glória Pires) está há uma semana envolvida com a festa do atleta. A vida é fogo. Boa sorte, Gilberto Braga. Torcendo demais. Ah, um amigo querido trabalha na Globo, num departamento ligado a programação, disse que ele acha mais triste é que a maior rejeição não foi ao beijo gay, mas a demonstração de afeto entre duas senhoras. Fiquei pasma. 

"É sério?"
 "Sério". 
Quem são essas pessoas?












Admirável
aquele que diante do relâmpago
não diz: a vida foge.


(Hai-kai de Matsuo Bashô)
via Carlito Azevedo


















Aproveito a oportunidade para anunciar que o exemplar da Alice em versos, até o momento vendido por quatro xelins, pode ser agora adquirido, com as mesmas características, como um livro de gravura de um xelin - embora eu tenha certeza de que é, sob todos os aspectos (exceto o do próprio texto, sobre o qual não me cabe opinar) muito superior a esses livros. Quatro xelins era um preço perfeitamente razoável, levando em conta a despesa inicial muito alta que tive que fazer. Ainda assim, como o público tem praticamente dito "Não daremos mais que um xelim por um livro de gravuras, por mais artístico que seja", aceito contabilizar a minha despesa como prejuízo, pois a deixar que os pequenos, para quem a obra foi escrita, fiquem sem o livro, prefiro vendê-lo por um preço que é, para mim, quase o mesmo que distribuí-lo de graça.

Natal de 1896



(Lewis Carroll - prefácio da edição de 1897 de Alice no país das maravilhas)