Vou voltar a publicar as correspondências.







Correspondência eletrônica
Assunto: oi, teu blog

oi,

acompanho seu blog há muitos anos e acho vc super criativa e inteligente, e faz um apanhado legal das coisas do mundo pra gente...
uso blogs meio como portais de notícia, na verdade de notícia e poesias, coisas legais e belas, enfim, e seu blog está numa pequena lista dos que visito todos os dias, junto com o duasfridas e donttouchmymoleskine!
como não temos muita oportunidade pra dar o 'feedback', só queria dizer pra vc continuar que a gente tá aqui te lendo!

um beijo,
Marciana



Eu conheço minhas leitoras antigas. Um beijo, Marciana!








11.4.16





00:00














Selfie em banheiro sem espelho




















Querido diário,

































Ontem assisti no Muu - cortesia da querida Andrea Augusto - um outro episódio de Muitos anos de vida. O primeiro foi 50 anos, e o outro 70. Gostei mais do  segundo. Mas depois eu falo disso, agora estou sem a paciência necessária.


















Casa dos artistas 


Barbra Streisand Soaps and roses on the bathtub...(via Instagram)



(Eu não imaginaria nada que não fosse exatamente assim)










Como eu amo o Lawrence Block!









14:14






9.4.16



04.04

03:33








via angela scott bueno






desvario imaginativo &

somentecoisasboasemseucaminho


(seltonmello - Instagram)







Fiquei tão triste mas, ao contrário do que seria o meu normal, não chorei. Se eu estivesse com eles também ficaria transtornada. Mas não estava. Acho que estou anestesiada por causa das sementes de girassol na minha orelha. Para melhorar minha tendinóide - o que de fato aconteceu. Mas minha professora colocou uma semente em outro ponto da orelha, para ansiedade. Então sinto uma calma quase apática. E ontem de tarde fui a um bar com amigos. Estava tão calma. Não fiquei ansiosa com meu pequeno atraso, com os sinais fechados, com o ônibus lento. Calmíssima. Pedi uma caipirinha de abacaxi, que veio muito doce, por isso só bebi metade. Pedi outra. Fiquei bêbada. Tirei selfie. Então senti um enjoo profundo, peguei um táxi, cheguei em casa às 9, caí dura na cama. Dormi de vestido até meia noite. Acordei, bebi água, vi um snap do padre Fábio (ahn?) e voltei a dormir. Hoje minha professora disse que meu organismo estava muito sensível devido ao tratamento.






Penso na galinha, meu coração espeta, troco de assunto na minha cabeça. Tento trocar de assunto na minha cabeça. Choro um pouco, mas por dentro.




                                                                   ...





Duas da manhã B. chega chorando, ela e meu filho - ambos recém-vegetarianos -  viram uma galinha em frente ao prédio de um amigo. Ela tinha sido retirada de dentro de um saco, onde estava com as patas amarradas. Alguém, provavelmente quem salvou sua vida, deixou um pouco de milho e água. Pobrezinha. F. mandou um wpp pra mim, mas não vi. Queriam trazê-la pra cá, mas não sabiam como pegá-la. E como ela viveria aqui em casa? Ligaram para várias clínicas veterinárias em busca de ajuda, mas não conseguiram nenhuma. Pobre Bruna que, ainda tão jovem, já carrega essa cruz que é se importar com os animais. 






























8.4.16


Meu ex.

Quando você for se casar, imagine primeiro se ele dará um bom pai. E depois que tipo de ex-marido marido será.



:)








7.4.16



amanhã não preciso acordar cedo sensação deliciosa de lutar contra o sono que se torna ainda mais deliciosa quando você sabe que está prestes a beijar a lon













A primeira vez que vi um desses patinhos amarelos eu estava numa espécie de papelaria muito charmosa em Tribeca, há décadas. Fiquei louca pelo patinho de banheira, que só tinha visto em filme americano, mas meu (ex) marido, daquele jeitinho que os maridos sabem fazer ("Pra que você quer esse pato??") me convenceu a não comprá-lo. Além do mais, era caríssimo. E quem iria pagar o pato? Ele. Não sei onde o encontrei outra vez, acho que em Nova York mesmo, muitos anos depois. Comprei a família completa: mãe e três filhotes. Tempos e tempos e tempos mais tarde, dei um deles para um namorado, e ele, odiando trocadilhos, colocou o nome de Al Patinho. (A essa altura o patinho já está comento grama pela raiz). De repente, como se vidente eu fosse, tomei verdadeiro horror a eles, além de, pelo fato de não ter banheira, não saber onde colocá-los. Dei dois para uma criança. Fiquei com a pata grande por bastante tempo, acabou virando brinquedo do Xerife, e também saboneteira que não funcionou. Não me dou bem com saboneteiras, nunca consigo encontrar uma adequada. Joguei no lixo.








via






Visita virtual pela Capela Cistina em 3D

circule com o visor









via @buzzfeed






via @alexandrerosas alguém deveria escrever um roteiro sobre uma grande e popular emissora de televisão que noticiasse, por meses a fio, o próprio envolvimento num grande esquema de favorecimento financeiro baseado em relações espúrias com o governo, com os escândalos se sucedendo e a situação da empresa se deteriorando a cada nova revelação, até o momento em que o apresentador do maior telejornal da emissora anunciaria que foi expedido um pedido de prisão preventiva em seu nome, e aí ele vai tirando o microfone de lapela e sendo algemado e saindo preso ao vivo, enquanto os créditos vão subindo lentamente e você não sabe se são os créditos do filme ou do telejornal.









Clarinha em Drakensber 





























Eu já te disse que te amo hoje?



















eu, né










John segurando o tchan.
Via Carolzinha.