via





Segunda Desde que fiquei no wpp de nove da noite às cinco da manhã, não sei há quantos dias, a vida degringolou. ----- Mas no meio disso estou tratando de um assunto sério, resolvendo coisas burocráticas-----. Quatro horas da manhã fico acordada escrevendo blog. Depois vou ler minha bíblia, não vou dizer qual o nome, fico com um pouco de vergonha da Tinah, rs. Quando eu lia no ônibus não deixava a capa aparecer, mas agora nem ligo. Pelo menos foi escrito por um mestre de meditação transcendental. Eu faço meditação transcendental. Eu, o Jerry Seinfeld, e o David Lynch. Só em boa companhia. Faço orelhinhas, leio sempre um pouco, morta de sono, sabendo que vou ter que ler umas vinte a 50 vezes para a fixar. Mas hoje é feriado no Rio, para alegria de todos, tudo bem. Acordei duas e meia - coisa que eu fazia na adolescência.


----------- Já contei aqui, quando Clarinha estava morando em Madrid. Se o feriado cai no domingo, eles passam pra segunda #chorabahia  Outra, ela  perguntou a um rapaz do trabalho sobre mandar um email no fim semana, e ele ficou olhando para a cara dela, sem entender, como assim email de trabalho no fim de semana? :D E tem cesta ;)


Amanhã vou começar a acordar às nove e meia, que é o limite máximo para um adulto. Sei que é um conceito meu, provavelmente deturpado, mas acho bacana quem acorda às sete, mesmo trabalhando em casa. Nos últimos dias, às cinco da manhã estou vendo fotos no Instagram.


Agora que o lado bonzinho e o lado mauzinho ("Pra que caminhar na Lagoa?" Vai pra internet!" ou "Larga o livro e vai ver vídeos vergonha alheia no Utube") acabaram, era de lascar, tipo os anjinhos mauzinhos e anjinhos bonzinhos. O lado bom me disse: "Há 11 anos eu falo pra você beber água". Cansou. Foi. O outro , sem ter com quem lutar,  está se dissolvendo aos poucos. Agora sou eu comigo mesma. Acho que chamam vida de adulto (não sei).