Clarinha chegou em São Paulo ontem, para resolver burocracias. Ela é uma espécie de Madonna + Angelina Jolie, só que sem marketing. Não se pode falar is-so da África. Mas quando chegou na casa do A., cama macia, pizza, caipirinha ("papel higiênico!"), nem acreditou.

Também ficou impressionada com a eficiência da cidade, e aducação. O resultado exame de sangue saía dia 4.

- Pode ser dia 3?
- Pode sim, senhora.


Se bem que:


ela é como aquela namorada do Jerry. Uma mulher linda. Acontecem situações assim:

Elaine e George, na fila do cinema: "Nem adianta, os ingressos esgotaram". Ele olha pra ela, daqui a pouco ela volta com os ingressos. Ou quando Jerry pisou fundo no acelerador, de próposito. O guarda parou e disse que ele estava acima da velocidade.

Com um sorrisinho responde:

- Eu sei.

Daí ela sai do carro e conversa com o guarda. São liberados.

Com a Clarinha é a mesma coisa. Porque ela é muito bonita. Um dia estava no Coelho e perguntou o garçom quanto custava determinado doce. Ele disse o preço.

- Ah, muito caro...

O garçom deu meia volta e voltou com a sobremesa. Cortesia.

Ou quando está na Jardim Botânico e passa um táxi. Ela faz sinal e pergunta: "O senhor vai pra voluntários? Me dá um carona?" Pronto.


Ela deve estar tão cansada. Ela falou que está comendo muito.

- Mãe, aqui é família adulta!

Como se a nossa não fosse. E não é.


:D








foto de @drixpaiva, ela há de me perdoar por ter mudado para preto e branco. Não gosto de sépia.