Etiópia







Histórias de tão longe  Minha filha não lavava um copo, muito pelo contrário, acumulava no quarto, junto com pratos, talheres e chocolates comidos pela metade. Agora lava o liquidificador depois de fazer suco, o prato que usou, os talheres. O anti-Será que ela volta? Foi tão bom, tomávamos café da manhã em pé na cozinha, ovos com torrada, café, requeijão. Ela parou de ter mordomia há três anos, quando foi morar fora.

Da viagem de oito meses na África, só nos contava a parte boa. Como a Etiópia é linda! Vimos um leão! Creche de elefantes! Uma viagem tranquila - no Facebook mais ainda. Primeiro porque detesta falar, ou que falem, mal da África.


Já no Rio, ela contou que certa vez a noite era um breu, estavam com dois amigos bêbados, quando ela caiu num buraco. Não sabia a profundidade porque foi amparada por um cano. O marido que é um cara grande, caiu em cima dela. Detalhes não sei, mas quando chegou no hotel estava com as pernas e braços escorrendo sangue. Que depois ia me mostrar as fotos. Foram a um país perigoso, e a embaixada pediu que saíssem ou estocassem mantimentos.  Mãe é uma mulher que enlouqueceu. 



Em restaurantes, todos comiam com a mão, o dono oferecia colheres, porque eram brancos. Claro que não aceitavam.



Já tinham comido com as mãos em Roma, o macarrão dentro de uma embalagem de pão de forma.
Mesmo se eu fosse jovem, nunca faria uma viagem como essa.


Vão voltar à África um dia. Porque não conheceram o Congo.
Oi?



De vez em quando uma criança segurava a mão dela, enquanto discretamente tentava tirar sua aliança. Quando foram para o Egito, foi obrigada a usar regata, porque o calor era insuportável. Todos tiraram fotos, ela abraçava por trás, como fazemos aqui, porque esquecia que não podia. Um policial veio e tirou foto com ela. Daí vieram todos os outros.


Pegavam várias conduções para ir de uma cidade a outra, mais dez horas de viagem, iam trocando de meio de transporte pelo caminho. Nos ônibus, pessoas sentadas umas em cima das outras, muitas galinhas, e outros animais. É como ela se ela estivesse dentro de um filme de aventuras. Mudavam para um caminhão onde todos iam em pé, uns colados nos outros. E uma espécie de táxi, com um policial no carona. Eles fazem isso para não pagar pedágio. Aí, motorista e policial, começam a beber até cair. E o marido dela foi dirigindo.


Quando teve malária só falou quando ficou boa. Por que vc não me contou?? "Porque se eu tivesse te contado você estaria na CTI da São Vicente".  Verdade.