Picadinho de sexta Vivendo o momento mais complexo da minha vida, o mais instável, o mais não-sei-o-que-fazer, por isso me recolho e dou atenção aos pássaros que passam rente à janela, as folhas que brotam diariamente, as flores que estão por nascer. Borboletas aos montes. Reparo o animal: certeza de que o homem é o único ser que não faz ideia do que está fazendo aqui. Ligo para papelarias e gráficas: nenhuma atende. Lembro que é feriado. Em busca do tempo perdido. Otimista. Otimista. Otimista. Otimista. Não consigo ler, só mesmo Osho e coisas assim, na tentativa de ficar centrada. Agitada demais para meditar. Talvez amanhã seja tudo diferente. Amiga me diz: fica calma. Preguiça de lacrar as caixas, viciada em açúcar e  Desperate housewives. Mosquitos que não dão trégua. Me programei pra ir pro Amazonas ficar um mês - esqueci da Aurora, e me desprogramei. Post que enrola. Falta de prática. Sedex com Brigitte. Preciso estar atenta e forte. Descobrir durexes.


Como diz Mark, o abraço é a única coisa que tranquiliza.













foto via Revolvver