Meia-noite, sei lá Aniversário de 90 anos, vinho italiano e afeto. Achei que estava muito doente. Porque o clínico geral mandou que eu fizesse uma tomografia de tórax. Exames de sangue. O resultado sairia ontem, dia 20, na internet. Fui no site. O de sangue estava lá: me pareceu ok. Liguei: "E o resultado da tomografia?" "Sai até às 22". Toda hora olhava o site: nada. Achei que estivesse com CA ou tuberculose: muitos anos  de cigarro.


(Parei há doze dias)


Não conseguia dormir. Precisava acordar às oito. Vou morrer.

Cheguei ao médico pensando: Seja o que Deus quiser. Fiz promessa para São Jorge, sem sacrifícios, oferecendo três coisas lindas, diárias e eternas. Médico: "Você precisa tomar vacina para hepatite". Eu respondi: "Sem chances". Ele se lembrou que tenho fobia de agulha. "Você não vai tomar, né?" - disse enquanto escrevia no receituário. "Não". "Então tem 8% de chance de ter a doença". "8% é muito pouco". "8% é muito". Eu disse que pensaria no assunto. Mas vamos o que interessa: "O que eu tenho é de morrer?" Ele olhou o exame. Esperava que eu levasse o papel e o filminho. Teve que ver na internet. Não tem prática nenhuma, demorou um tempão.



"Você não tem nada".
"Mas eu fico cansada. E com dificuldade de respirar"
"Quando?"
"Quando vou deitar pra dormir, por exemplo".
"Isso se chama ansiedade"

E me receitou "Um S.O.S":  Rivotril sublingual, que eu nem sabia que existia.


:D



Conversamos bastante depois. Sobre minha vida, e a dele.  Saí toda feliz, e fui jantar.