"[o deprimido] é como se ele vivesse numa perspectiva, numa fresta, onde tudo é visível, a miséria, a feiúra..."